Hoje na história: feliz aniversário, Frida Kahlo!

Via Redfish

“Estou cada vez mais convencida de que é apenas através do comunismo que podemos nos tornar humanos”.

Embora Kahlo seja reconhecida mundialmente por sua arte, estilo e personalidade, muitos esquecem que ela era uma ativista política cuja arte refletia suas visões comunistas, antifascistas e anti-imperialistas.

Aos 16 anos, Kahlo ingressou no grupo juvenil do Partido Comunista Mexicano antes de ingressar oficialmente no partido na década de 1920 como organizador ativo que fazia discursos e liderava comícios sindicais.

A política de classe de Kahlo se tornou ainda mais radical depois de se mudar para os EUA durante a Grande Depressão, onde ela testemunhou a pobreza generalizada, a fome e o racismo que atormentavam as principais cidades dos EUA.

Kahlo também esteve envolvido na Guerra Civil Espanhola, desempenhando um papel na garantia de asilo de refugiados comunistas e socialistas espanhóis no México e na arrecadação de fundos para a milícia antifascista que lutou contra Franco.

Ela também era uma forte anti-imperialista que sempre resistiu ao imperialismo dos EUA na América Latina ao longo de sua vida. Para combater a influência colonial no México, ela se dedicou ao renascimento cultural do México, usando sua arte e roupas para celebrar e promover a cultura indígena. Ela também desmantelou as expectativas tradicionais em sua arte, explorando assuntos tabus, incluindo gênero, bissexualidade, deficiência, saúde mental e muito mais.

Sua política anti-imperialista persistiu até sua morte. Onze dias antes de sua morte em 1954, ela participou de uma manifestação contra a derrubada dos EUA do presidente de esquerda democrata eleito democraticamente, Jacobo Arbenz.

Kahlo morreu em 13 de julho de 1954. A bandeira do Partido Comunista Mexicano foi colocada sobre seu caixão em sua homenagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *