Revista médica Lancet publica resultados positivos sobre a vacina russa Sputnik V

Via Actualidad

Os desenvolvedores da vacina observaram na publicação que 100% dos participantes desenvolveram uma resposta imune estável durante as fases I e II dos ensaios.

Uma das revistas científicas mais respeitadas no campo da medicina do mundo, The Lancet, publicou os resultados dos ensaios clínicos de fase I e II da vacina russa Sputnik V contra covid-19, desenvolvida pelo Centro Departamento Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya.

“A publicação científica no The Lancet demonstra a alta segurança e eficácia da vacina russa e também fornece dados detalhados sobre os resultados dos ensaios clínicos”, diz uma declaração conjunta de Gamaleya e do Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF).

Os desenvolvedores da vacina observaram na publicação do jornal que 100% dos participantes desenvolveram uma resposta imune humoral e celular estável durante as fases I e II dos testes.

Ao mesmo tempo, o nível de anticorpos contra SARS-CoV-2 em voluntários vacinados com Sputnik V foi 1,4 a 1,5 vezes maior do que o nível de anticorpos em pacientes que se recuperaram de COVID-19.

No comunicado à imprensa, o RDIF afirma que a farmacêutica britânica AstraZeneca obteve resultados mais modestos: o nível de anticorpos em pacientes recuperados e voluntários vacinados era praticamente o mesmo.

Ao mesmo tempo, nenhum evento adverso grave foi encontrado nos vacinados com o Sputnik V, enquanto para outras vacinas, esse parâmetro varia entre 1 e 25 por cento, apontam o RDIF.

Sputnik V

A vacina Sputnik V foi aprovada em testes clínicos entre junho e julho e foi registrada em 11 de agosto. Foi criado artificialmente, sem nenhum elemento do coronavírus em sua composição, e se apresenta na forma liofilizada, como um pó que é misturado a um excipiente para dissolvê-lo e depois administrá-lo por via intramuscular.

De acordo com o vice-diretor do departamento científico do centro Gamaleya, Denís Logunov, durante os testes “não foram relatados efeitos colaterais graves” e “100% dos voluntários desenvolveram anticorpos neutralizantes para o vírus”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *