Venezuela recebe um carregamento de Sputnik V e será o primeiro país latino-americano a testar a vacina russa

Via Actualidad

Os especialistas russos consideram que a vacina é segura e eficaz. Durante as duas primeiras fases dos ensaios clínicos, não foram observados efeitos colaterais graves.

O primeiro carregamento da vacina russa contra o novo coronavírus Sputnik V chegou à Venezuela nesta sexta-feira. A vacina está atualmente na fase 3 de testes clínicos envolvendo 40.000 pessoas.

“É um evento que não hesitamos em classificar como histórico para nosso país […] não posso esconder a emoção que sentimos de que a Venezuela é o primeiro país do Hemisfério Ocidental a participar da Fase 3 dos ensaios clínicos desta vacina”, disse o vice-presidente venezuelano Delcy Rodriguez, ao receber o carregamento, no Aeroporto Internacional Simon Bolívar em Maiquetía.

O funcionário disse que, além de fazer parte dos ensaios, a Venezuela participará da “produção da vacina” para fornecê-la a seus cidadãos.

Rodríguez mencionou que “esta cooperação para a vacina Sputnik V foi o resultado dos contatos permanentes que existem entre a Rússia e a Venezuela”.

Ele acrescentou que durante a luta contra a pandemia, Moscou contribuiu amplamente para Caracas. “Recebemos toneladas de medicamentos, de testes moleculares PCR para a detecção da covid-19 e hoje atinge um nível máximo com a chegada deste primeiro lote de vacinas”, disse ele.

O Ministro da Saúde venezuelano Carlos Alvarado disse que os testes desta vacina começarão na capital venezuelana, Caracas, neste mês, e depois serão estendidos ao resto do país.

Ele explicou que as provas no país sul-americano incluirão 2.000 pessoas. “Nossos centros de pesquisa já estão totalmente disponíveis para o acompanhamento e o acompanhamento desta fase”, acrescentou ele.

Alvarado disse que, após esses ensaios, eles fortalecerão a fábrica de vacinas em Caracas para realizar, primeiro, “a embalagem da vacina na Venezuela” e depois “a produção de concreto da vacina Sputnik V” em território venezuelano.

Também presentes na recepção deste lote estavam o Ministro das Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreaza, e o Encarregado de Negócios da Rússia na Venezuela, Alexey Seredin.

“Consideramos que esta cooperação entre nossas instituições de saúde é um reflexo fiel da cooperação estratégica entre nossos países e vamos fortalecer ainda mais nossos laços de amizade”, enfatizou Seredin.

As autoridades russas já haviam destacado o interesse de mais de 40 países pela vacina e o fornecimento de dezenas de milhões de doses a vários países latino-americanos foi acordado.

Sputnik V

A vacina Sputnik V passou em seus testes clínicos em junho e julho, e foi registrada na Rússia em 11 de agosto. O registro antecipado tornou possível fornecê-lo a pessoas em grupos de alto risco em meio à pandemia e, em 25 de agosto, soube-se que as autoridades sanitárias deram luz verde para testes pós-registro do Sputnik V e passaram à fase 3 de testes, com 40.000 participantes.

A vacina utiliza tecnologia de adenovírus humano de dois vetores. Estes últimos são vírus de engenharia, incapazes de se reproduzir, que carregam material genético do espigão do coronavírus. A tecnologia emprega dois vetores adenovirais humanos diferentes, Ad26 e Ad5, para uma primeira e segunda injeção, e ajuda a superar a imunidade pré-existente aos adenovírus.

Segundo o vice-diretor do departamento científico do centro Gamaleya, Denis Logunov, durante os ensaios “não foram relatados efeitos colaterais graves”, e “100% dos voluntários desenvolveram anticorpos neutralizantes ao vírus”.

Os resultados da pesquisa de vacinas foram publicados no The Lancet apenas no início de setembro e suscitaram perguntas de um grupo de pesquisadores estrangeiros que disseram que o estudo tinha anomalias estatísticas e apontaram a falta de confiabilidade de certos dados a esse respeito. Os cientistas russos, por sua vez, defenderam suas conclusões e disseram que todos os dados publicados eram “confiáveis e precisos”.

A revista afirma que 100% dos participantes desenvolveram uma resposta imunológica humoral e celular estável durante as duas fases dos testes e que o nível de anticorpos contra o SRA-CoV-2 em voluntários vacinados foi 1,4 a 1,5 vezes maior que o nível de anticorpos em pacientes que se recuperaram da covid-19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *