Mortes por Covid ultrapassa a marca de dois milhões

Via Al Jazeera

O marco foi alcançado na sexta-feira em meio a um lançamento de vacinas tão imenso, mas tão desigual que em alguns países há uma esperança real de vencer o surto, enquanto em outras partes do mundo, parece um sonho distante.

O número de mortos, contado pela Universidade Johns Hopkins, é aproximadamente igual ao da população de Bruxelas, Meca, Minsk ou Viena.

Mais de 93 milhões de casos do vírus foram confirmados em todo o mundo desde o início da pandemia, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

A Europa é o continente onde a crise sanitária provou ser mais mortal, com 650.560 mortes até hoje.

A América Latina e o Caribe registraram 542.410 mortes, enquanto os Estados Unidos e o Canadá contaram 407.090.

O Secretário Geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, apelou para a solidariedade global no combate à pandemia, marcando o marco “de arrebatamento do coração”.

“Infelizmente, o impacto mortal da pandemia foi agravado pela ausência de um esforço coordenado global”, disse ele em um vídeo.

Em países ricos incluindo os EUA, Reino Unido, Israel, Canadá e Alemanha, milhões de cidadãos já receberam alguma proteção com pelo menos uma dose de uma vacina desenvolvida com velocidade revolucionária e rapidamente autorizada para uso.

Mas em outros lugares, as campanhas de imunização mal começaram a funcionar. Muitos especialistas estão prevendo mais um ano de perdas e dificuldades em lugares como Irã, Índia, México e Brasil, que juntos são responsáveis por cerca de um quarto das mortes no mundo.

“Como país, como sociedade, como cidadãos, nós não entendemos”, lamentou Israel Gomez, um paramédico da Cidade do México que passou meses transportando pacientes da COVID-19 em ambulância, procurando desesperadamente por leitos hospitalares vazios.

“Não entendemos que isto não é um jogo, que isto realmente existe”.

O México, um país de 130 milhões de pessoas que sofreu muito com o vírus, recebeu apenas 500.000 doses de uma vacina e colocou apenas metade delas nos braços dos profissionais de saúde.

Nos EUA, apesar dos atrasos iniciais, centenas de milhares de pessoas estão arregaçando as mangas todos os dias. Mas o vírus matou cerca de 390.000, o maior índice de mortalidade de todos os países.

O COVID-19 Vaccines Global Access Facility – COVAX, um projeto apoiado pela ONU para fornecer vacinas a partes em desenvolvimento do mundo – ficou sem vacinas, dinheiro e ajuda logística.

Como resultado, o cientista chefe da Organização Mundial da Saúde advertiu que é altamente improvável que a imunidade do rebanho – que exigiria pelo menos 70% do globo para ser vacinado – seja alcançada este ano.

Os especialistas em saúde também temem que, se as vacinas não forem distribuídas ampla e rapidamente, isso poderia dar tempo para que o vírus mude.

O Dr Julian Tang, da Universidade de Leicester, disse que este número não é tão surpreendente dadas as circunstâncias.

“Este é um novo vírus ao qual ninguém realmente tem imunidade, e estamos atravessando a estação do inverno onde estes vírus respiratórios tradicionalmente atingem o auge”, disse ele à Al Jazeera.

“As vacinas contra o coronavírus chegaram bastante tarde, por isso juntamos tudo isso, a estação do inverno, a demora [na] vacinação, a aglomeração interna que vem com a estação do inverno, este tipo de pico e a mortalidade… provavelmente não é tão surpreendente assim”, acrescentou ele.

Quais países administraram mais vacinações COVID-19?

Enquanto isso, em Wuhan, uma equipe global de pesquisadores liderada pela OMS chegou na quinta-feira em uma missão politicamente sensível para investigar as origens do vírus, que se acredita ter se espalhado para humanos a partir de animais selvagens.

A cidade chinesa de 11 milhões de pessoas está novamente agitada, com poucos sinais de que já foi o epicentro da catástrofe, fechada por 76 dias, com mais de 3.800 mortos.

“Não estamos com medo ou preocupados como no passado”, disse Qin Qiong, um dono de uma loja de macarrão.

“Vivemos agora uma vida normal. Eu apanho o metrô todos os dias para vir trabalhar na loja… exceto para nossos clientes, que têm que usar máscaras, tudo o resto é igual”.

Embora o número de mortes seja baseado em números fornecidos por agências governamentais ao redor do mundo, acredita-se que o número real de vidas perdidas seja significativamente maior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *