O coronavírus vai ficar aqui para sempre. Prepare-se para o novo normal

Via Business Insider

Os especialistas concordam: o novo coronavírus não vai a lugar algum por muito tempo.

À medida que a pandemia se aproxima de seu segundo ano, o coronavírus se transforma em um inimigo ainda mais forte.

Várias mutações que os cientistas identificaram em variantes de rápida propagação são particularmente preocupantes. Elas levantam a preocupação de que estas cepas serão mais contagiosas ou poderão, pelo menos em parte, escapar da proteção proporcionada pelas vacinas e por infecções anteriores.

Sejamos claros: ninguém sabe como será a próxima fase da pandemia. Uma nova cepa já está se espalhando sem ser detectada ou está à espreita na esquina? Qual será a eficácia dessas vacinas a longo prazo? E quando podemos pensar em voltar às escolas e escritórios, ou nos reunirmos novamente com parentes mais velhos?

Alguns dos maiores especialistas em doenças infecciosas do país estão hesitantes em oferecer previsões. “O primeiro axioma da doença infecciosa”: Nunca subestime seu patógeno”, disse o Dr. Larry Corey, virologista do Centro de Pesquisa do Câncer Fred Hutchinson, a Insider.

Apesar desta incerteza, a maioria dos cientistas aceitou uma infeliz verdade: o coronavírus fará provavelmente parte de nossas vidas para sempre, embora a fase pandêmica acabe eventualmente. Nossa melhor esperança é que ele se transforme em uma doença leve, semelhante à gripe, em vez de uma ameaça mais mortal e de longo prazo.

Aqui, vamos expor os fatores-chave que podem determinar o curso da pandemia. Algumas das mais importantes perguntas não respondidas dependem do que acontece com as variantes seguintes, e como as vacinas e a imunidade podem acompanhar o ritmo.

Aceite: o coronavírus está aqui para ficar

Resultado de imagem para CORONAVIRUS PANDEMIC RASIL

Quatro outros coronavírus humanos já são endêmicos em nossa população, o que significa que eles circulam perpetuamente, mas não atingem picos pandêmicos. Na maioria das vezes, estes vírus causam apenas sintomas leves associados a constipações comuns.

Os cientistas sempre temeram que um novo coronavírus pudesse aparecer, que seria mais mortal, mas ainda assim altamente transmissível.

“É seguro dizer que não vamos erradicá-lo completamente”, disse a Dra. Becky Smith, uma especialista em doenças infecciosas da Duke Health. “Muitas pessoas no mundo a têm”. É muito eficiente na transmissão”.

O vírus também é zoonótico, o que significa que pode saltar para frente e para trás entre os animais e os seres humanos. Mesmo se conseguíssemos erradicar o SARS-CoV-2 em humanos, os animais poderiam reintroduzir uma infecção semelhante à nossa população – talvez com uma mutação ainda mais mortal.

Até hoje, a varíola é a única doença infecciosa que já foi erradicada nos seres humanos. Ela não tem reservatório animal, portanto deve se espalhar de humano para humano para sobreviver.

Um estudo recente sugeriu que o SARS-CoV-2 provavelmente se tornaria endêmico dentro de cinco a 10 anos, eventualmente assemelhando-se a uma constipação comum que infecta pessoas durante a infância. Esse cenário depende da noção de que os casos pediátricos permanecerão leves. Se uma nova mutação tornar o vírus mais mortal em crianças, podem ser necessárias vacinas contra o coronavírus para os jovens, semelhantes às vacinas contra a poliomielite ou sarampo.

Ainda assim, Mike Osterholm, um dos principais especialistas em doenças infecciosas, disse que seria quase impossível disponibilizar uma vacina anual contra o coronavírus para todas as pessoas na Terra.

“Vai ficar conosco para sempre”, disse Osterholm, diretor do Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota, sobre o vírus. “É algo que não podemos erradicar dos humanos”.

Novas variantes estão forçando os vacinadores a mudar as estratégias de
desenvolvimento da vacina

Resultado de imagem para nova variente amazona

Quando as primeiras vacinas da Pfizer e Moderna foram autorizadas para uso emergencial no ano passado, havia uma esperança real de que elas pudessem esmagar a pandemia. As vacinas foram mais de 90% eficazes – um feito impressionante – e proporcionaram uma proteção esmagadora contra sintomas leves, moderados e graves.

Agora a meta para as vacinas se tornou mais modesta: contundir os piores resultados, evitando mortes e internações hospitalares.

“Já vi a linguagem mudar de ‘Vamos atingir a imunidade do rebanho’ para ‘Ei, vamos ter algo que nos fará voltar ao normal, da perspectiva de que nossos hospitais não vão ficar sobrecarregados'”, disse Deborah Fuller, microbiologista e pesquisadora de vacinas da Universidade de Washington.

Isso se deve em parte às preocupações sobre uma nova variante, chamada B.1.351, que está circulando amplamente na África do Sul. A cepa carrega 10 mutações na proteína do pico do vírus, o alvo de todos os principais programas de vacinas. A cepa P.1 que circula no Brasil tem mutações igualmente preocupantes.

B.1.351 já mostrou resistência parcial à vacina Moderna, sugerindo que a vacina pode ser menos eficaz na prevenção de doenças mais brandas causadas por esta cepa. Os primeiros resultados clínicos dos programas de vacinas liderados pela Johnson & Johnson, AstraZeneca e Novavax também levantaram preocupações de que as vacinas não funcionarão tão bem contra o B.1.351 ou outras variantes com mutações similares.

A qualidade destas descobertas ainda está no ar: Alguns trabalhos de laboratório em placas de petri foram publicados, mas nenhum resultado de testes em pessoas apareceu em revistas médicas.

A pesquisa de vacinas está apenas começando vacina contra a covid em grávidas

Mesmo assim, mesmo que as vacinas não funcionem tão bem contra algumas novas cepas de coronavírus, isso “não significa que essas vacinas sejam inúteis”, disse Brian Ward, o oficial médico do desenvolvedor da vacina Medicago, à Insider.

As vacinas continuam sendo a melhor arma da humanidade contra o coronavírus – e já estão sendo atualizadas na tentativa de se manter à frente dele.

Moderna e Novavax estão avançando com planos de disparos de reforço adaptados para proteger contra a cepa B.1.351. A Pfizer e a J&J estão monitorando a pandemia para escolher as cepas certas para o próximo alvo.

Tudo dito, parece provável que as pessoas mais vulneráveis nos países ricos terão pelo menos uma chance de impulsionar. As empresas não disseram quando as fotos de reforço podem estar prontas, mas se a variante B.1.351 se espalhar rapidamente nos EUA e em outros lugares, as fotos de reforço podem começar a se espalhar logo no final da primavera ou início do verão, previu Geoffrey Porges, um analista de biotecnologia da SVB Leerink.

A próxima geração de vacinas está em andamento em dezenas de empresas farmacêuticas. Algumas delas visam neutralizar múltiplas variantes do coronavírus, enquanto outros programas estão começando a desenvolver uma vacina combinada para proteger contra a gripe e a COVID-19.

Será que as novas variantes continuarão se afastando das cepas originais?

É possível que variantes mais poderosas e infecciosas possam superar versões antigas do vírus, tornando a pandemia mais difícil de combater. Os especialistas em vírus nos EUA já estão prevendo que a variante de rápida propagação B.1.1.7, descoberta pela primeira vez no Reino Unido, se tornará a variante dominante nos Estados Unidos em março deste ano.

Mas é impossível prever que mudanças o vírus poderá sofrer a seguir, ou o que eles realmente significarão para nós. Afinal de contas, nem todas as mutações tornam os vírus mais perigosos.

“Talvez o vírus mude e se torne menos contagioso”, disse o Dr. Cody Meissner, um especialista em vírus respiratórios do Centro Médico Tufts. “Talvez comece a causar doenças menos graves, porque, lembre-se, um vírus não quer matar seu hospedeiro”.

Outra possibilidade é que as variantes existentes podem ser tão preocupantes quanto possível. Alguns virologistas acreditam que o vírus, depois de infectar centenas de milhões de pessoas, já atingiu um alto nível de aptidão, o que significa que não evoluirá muito mais.

Uma coisa é certa: A melhor defesa contra novas variantes é parar a transmissão de pessoa a pessoa. Vacinações mais difundidas poderiam dar uma mãozinha.

Se não vacinarmos o mundo inteiro, as pessoas não vacinadas continuarão circulando o vírus – e o vírus, por sua vez, continuará mudando em suas próprias condições.

A recuperação da COVID-19 é suficiente para ser imune a novas variantes?
coronavírus de longo curso
Um trabalhador médico testa um estudante para a COVID-19 em um local de testes pop-up em Nova York, em outubro. Angela Weiss/AFP/Getty Images
Outro par de perguntas preocupantes centra-se nas defesas naturais do corpo contra o coronavírus. Os pesquisadores estão estudando quanto tempo esta proteção dura e se as pessoas que foram infectadas uma vez podem ser vulneráveis a novas infecções de variantes.

Os pesquisadores descobriram que os anticorpos coronavírus – proteínas do sangue que protegem o corpo contra infecções subseqüentes – desaparecem em poucos meses. Outras camadas de imunidade podem durar mais tempo e proteger as pessoas contra as cepas emergentes.

Os glóbulos brancos conhecidos como células T e células B também se lembram de invasores estrangeiros, muitas vezes por períodos mais longos do que os anticorpos. Um estudo recente sugeriu que as pessoas que tinham tido COVID-19 tinham imunidade robusta às células T e às células B por pelo menos oito meses. Um estudo da SARS, que é causado por um coronavírus semelhante, descobriu que as pessoas que se recuperaram tinham proteção contra as células T 17 anos após sua infecção.

Os pesquisadores esperam que as infecções sejam mais brandas pela segunda vez, com base em como outros coronavírus humanos se comportam. Mas uma pessoa reinfectada ainda pode espalhar o vírus.

Novas variantes complicam ainda mais a questão, uma vez que a maioria dos estudos de imunidade ao vírus corona não considerou cepas como a B.1.351. Um estudo recente descobriu que as infecções pelo B.1.351 eram tão comuns entre as pessoas que tinham se recuperado da COVID-19 quanto as que não o tinham feito.

Na pior das hipóteses, o sistema imunológico das pessoas que tiveram COVID-19 não reconheceria novas variantes de forma alguma. Um estudo publicado no The Lancet em outubro, por exemplo, identificou um homem de 25 anos que foi reinfectado com uma nova variante em junho que produziu sintomas mais graves do que sua primeira doença em abril.

Jennie Lavine, pesquisadora de pós-doutorado da Universidade Emory, disse que ainda pensa que as principais vacinas contra o coronavírus oferecerão alguma proteção.

Quando se trata de outros vírus como o varicella-zoster (o vírus responsável pela varicela), acrescentou Smith, as vacinas às vezes são ainda melhores do que a imunidade natural. As pessoas que recebem a vacina contra a varicela quando crianças têm 20 vezes menos chances de contrair herpes zoster quando adultos, disse ela.

Os tratamentos para a COVID-19 – especialmente em seus estágios iniciais e suaves – são elusivos. Isso pode continuar assim por algum tempo. Ainda não temos bons tratamentos para doenças causadas por muitos outros vírus, incluindo poliomielite, sarampo, caxumba e rubéola. Em vez disso, contamos com as vacinas para evitá-las.

“Este vírus é algo com o qual vamos aprender a conviver, assim como fazemos com a gripe”, disse Meissner.

“O que realmente queremos fazer é parar as hospitalizações, parar as mortes”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *