Como os EUA estão criando problemas em torno da Rússia

Via New Eastern Outlook

Quando o presidente americano Joe Biden fez seu primeiro grande discurso sobre política externa em fevereiro, ele sinalizou o retorno dos Estados Unidos a um projeto político intervencionista e confrontador, que prospera na criação de problemas para seus concorrentes. Assim, enquanto vemos que os EUA continuam culpando as autoridades chinesas pela realização de um “genocídio” em Xinjiang – que é uma importante base logística para os vários projetos da Nova Rota da Seda (BRI) da China – também começou a criar problemas na Ucrânia para forçar a Rússia a entrar em uma situação de crise, esperando que tal situação levasse a Rússia a se submeter às ambições dos EUA para restabelecer seu domínio global unilateral perdido. As mais recentes sanções impostas à Rússia indicam as tendências atuais em termos inequívocos. Entretanto, a forma como os EUA estão encharcando a Ucrânia com políticas anti-russas fala muito sobre a forma como os EUA estão criando condições de uma guerra e utilizam o cenário para ampliar o alcance da OTAN.

Em 1º de março, o Pentágono anunciou um pacote de ajuda militar de US$ 125 milhões para a Ucrânia, o primeiro de seu tipo sob a administração de Biden. Uma declaração do Pentágono dizia que o pacote incluía “capacidades para aumentar a letalidade, o comando e o controle, e a consciência situacional das forças da Ucrânia através do fornecimento de radares contra-artilharia e equipamentos táticos adicionais; apoio contínuo para uma imagem de satélite e capacidade de análise; e equipamento para apoiar o tratamento médico militar e os procedimentos de evacuação de combate”. Esta ajuda, além de US$ 150 milhões no ano fiscal de 2021, é um financiamento da Iniciativa de Assistência à Segurança da Ucrânia, apropriado pelo Congresso dos EUA. Desde 2014, este se tornou um método de marca registrada que Washington tem seguido para encorajar Kiev a ser beligerante em relação à Rússia.

Em sua convocação de 13 de abril com o russo Vladimir Putin, Joe Biden afirmou que “os EUA tem compromisso inabalável com a soberania e a integridade territorial da Ucrânia”. O Presidente expressou nossas preocupações com o súbito acúmulo militar russo na Crimeia ocupada e nas fronteiras da Ucrânia, e exortou a Rússia a desanuviar as tensões”.

Em 4 de abril, o Comando Operacional Leste com as Forças Armadas da Ucrânia (AFU) anunciou provocativamente que realizará exercícios militares conjuntos conhecidos como “Exercício Cossack Mace” com as forças da OTAN no final deste ano. Embora esta não fosse a primeira vez que as forças ucranianas realizariam tais exercícios militares, há uma diferença acentuada desta vez que reflete o cenário geopolítico atual.

Como tal, enquanto os usuais exercícios ucranianos e da OTAN são anunciados com declarações esclarecedoras de que são operações puramente “defensivas”, a recente declaração da AFU diferiu em que deixou claro que simularia um ataque ofensivo não apenas contra o “Donbass controlado pelos separatistas”, mas também contra as forças russas.

Quando visto em combinação com a forma como a Ucrânia pretende recuperar a Crimea, a natureza desta construção como uma forma de ataque territorial direto torna-se evidente. Em março de 2021, o Ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, tweeted, “[O governo ucraniano] aprovou a Estratégia de Desocupação e Reintegração da Crimeia, um documento histórico necessário desde 2014. O sinal é cristalino: não nos limitamos a chamar o mundo para nos ajudar a devolver a Crimeia, a Ucrânia faz esforços próprios dedicados e sistêmicos”.

Como tal, enquanto a Rússia também iniciou seu próprio desenvolvimento militar na fronteira ucraniana, este desenvolvimento não aconteceu até que o governo ucraniano declarasse oficialmente sua intenção de recuperar a Crimeia a todo custo.

A razão pela qual os EUA estão criando problemas em torno da Rússia procurando forçar este último numa guerra desnecessária é, como mencionado acima, para recriar uma ordem mundial unilateral.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, foi perspicaz e precisa quando disse isso,

“Os Estados Unidos não estão prontos para aceitar a realidade objetiva de um mundo multipolar no qual a hegemonia americana não é possível”. Está apostando na pressão de sanções e na interferência em nossos assuntos internos”. Esta conduta agressiva certamente encontrará uma resistência resoluta. Haverá, inevitavelmente, uma resposta às sanções. Washington deve compreender que terá que pagar pela degradação das relações bilaterais. A responsabilidade pelo que está acontecendo cabe plenamente aos Estados Unidos”.

Para muitos nos EUA, a entrada de Biden na Casa Branca foi sempre destinada a restaurar o equilíbrio global de poder em benefício dos EUA. Muitas empresas e grupos que fizeram lobby para Biden viram sua presidência como “negativa para Moscou”, o que provavelmente levaria a uma maior deterioração das relações bilaterais, tanto em termos de retórica como de substância.

Para a liderança ucraniana, também, a chegada de Joe Biden criou uma oportunidade de recuperar a Ucrânia. Como tal, enquanto o atual presidente ucraniano Volodymyr Zelensky era anteriormente ambíguo em sua posição em relação à OTAN durante sua campanha eleitoral em 2019 – reclamando seu apoio à adesão à UE e dizendo pouco sobre a aliança militar ocidental – ele agora implora regularmente pela plena inclusão de seu país na OTAN. Ao mesmo tempo, a administração Zelensky intensificou passo a passo a histeria anti-russa, sancionando os líderes pró-russos da oposição e fechando também os meios de comunicação.

Como tal, neste contexto, o apelo de Joe Biden à “diplomacia” para desescalar a situação é pouco provável que leve a qualquer desenvolvimento positivo significativo não apenas porque o governo Joe Biden está seguindo uma agenda explícita para recriar a hegemonia dos EUA, mas também porque a Rússia permanece fortemente oposta a qualquer tentativa dos EUA de ditar a Rússia a partir de uma posição de força.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *