O início da normalização das relações entre Israel e o mundo árabe

Via New Eastern Outlook

Desde o final de 2020, quatro países do Oriente Médio – Emirados Árabes Unidos (EAU), Bahrein, Marrocos e Sudão – estabeleceram relações econômicas e diplomáticas totalmente regularizadas com Israel. Dois outros estados árabes o fizeram muito antes: O Egito foi o primeiro a estabelecer relações diplomáticas com Israel, assinando um tratado de paz com este país em 1979 e se engajando na cooperação comercial, e o Reino da Jordânia foi o segundo, concordando com Israel sobre paz e cooperação em 1994.

Em 15 de setembro de 2020, o Ministro das Relações Exteriores dos EAU Abdullah bin Zayed Al Nahyan e o Ministro das Relações Exteriores do Bahrein Abdullatif bin Rashid Al Zayani assinaram tratados de paz entre seus países e Israel, representado por seu Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu. Os EAU solicitaram oficialmente ao Ministério das Relações Exteriores israelense a abertura de sua embaixada na capital israelense, Tel Aviv, e em 24 de janeiro de 2021 a liderança dos EAU aprovou a abertura de seu escritório de representação permanente na cidade. A embaixada israelense em Abu Dhabi, a capital dos EAU, foi aberta em 25 de janeiro de 2021. Em 31 de março de 2021, o Bahrein nomeou seu embaixador em Israel. A abertura das embaixadas israelenses no Marrocos e no Sudão está prevista para breve.

Estes eventos, como demonstrado por várias publicações da mídia árabe, levantaram questões naturais entre os residentes da região: Por que estes países do mundo árabe, apesar das fortes diferenças culturais e às vezes animosidades históricas, cooperaram com Israel? Como isto foi recebido no mundo inteiro, particularmente nos países muçulmanos? Como isso afetará o desenvolvimento da região?

O Irã está desempenhando um papel cada vez mais importante no Oriente Médio. Há muito tempo, o Irã tem se afirmado como uma grande potência regional. Em 27 de março de 2021, a República Islâmica do Irã assinou um tratado de cooperação abrangente com a China, incluindo a cooperação militar. O exército do Irã logo receberá armas novas e de alta qualidade. As Forças Armadas iranianas têm cerca de 600.000 militares. O Irã tem uma alta população de cerca de 85 milhões de pessoas. Também é importante que o Irã, de acordo com a pirâmide de idade e sexo, tenha uma proporção muito alta de jovens no auge de suas vidas. Se a liderança iraniana iniciar uma mobilização total, ela será facilmente capaz de mobilizar um grande número de tropas.

No Iraque, onde cerca de 60% da população é xiita, os sentimentos pró-iranianos permanecem proeminentes (no Irã cerca de 85% da população é xiita). O Irã está aumentando sua cooperação militar com o Iraque, bem como apoiando os grupos pró-islâmicos naquele país.

Também é importante notar que o Irã está envolvido na guerra civil síria do lado do presidente Bashar al-Assad. O Corpo de Guarda Revolucionário Iraniano fornece todo tipo de assistência às forças do governo sírio. O Irã fez uma contribuição significativa para a desescalada do conflito na Síria.

Tudo isso não pode deixar de preocupar Israel e os países do Golfo. Eles têm medo de perder sua importância anterior no Oriente Médio. As preocupações desses países são exacerbadas pelo enfraquecimento da presença militar na região de seu principal aliado, os Estados Unidos.

No momento, os EUA estão passando por uma série de problemas internos, além de tentar deter o crescimento da influência da China no sudeste asiático e no Pacífico, aumentando o número de instalações militares nessas regiões. É precisamente por isso que o número de militares americanos nos estados árabes está diminuindo ano a ano.

Os aliados americanos do Oriente Médio entendem que os EUA estão perdendo sua antiga força e que, se quiserem manter sua influência na região, precisam agir de forma mais coordenada.

Outro motivo para o aquecimento das relações de Israel com seus parceiros mais promissores, os Emirados Árabes Unidos e Bahrein, foi a pandemia do coronavírus em 2020 e a crise econômica que se seguiu. Por exemplo, em 17 de agosto de 2020, pouco antes da conclusão oficial do tratado de paz EAU-Israel, uma das principais instituições médicas dos EAU, o Abu Dhabi Stem Cell Center, e seus colegas israelenses assinaram um memorando de cooperação sobre a pesquisa do coronavírus coronavírus.

Membros da comunidade internacional reagiram de forma diferente à normalização das relações de Israel com os quatro Estados árabes. Por exemplo, o chefe de política externa da União Européia, Josep Borrell, disse em nome de sua organização que aprovou a assinatura dos acordos de paz e chamou-a de um dos passos mais importantes para estabilizar a situação na região. O presidente egípcio Abd al-Fattah al-Sisi considerou o início do diálogo de Israel com os Emirados Árabes Unidos e Bahrein como um passo para a prosperidade da região do Oriente Médio. Representantes de Omã, Mauritânia, Sudão e muitos outros países também reagiram positivamente a este evento.

Entretanto, nem todos os estados muçulmanos foram receptivos ao tratado de paz de Israel com os Emirados Árabes Unidos e Bahrein. O presidente turco Recep Erdogan condenou severamente os novos acordos e ameaçou chamar o embaixador turco nos Emirados Árabes Unidos. No entanto, ele nunca cumpriu suas ameaças. Mohammed Amari Zayed, membro do Conselho Presidencial Líbio, disse durante uma conversa com um jornalista da Al-Jazeera que a paz com Israel é uma traição a todo o mundo muçulmano pelos Estados árabes. Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, também condenou o tratado Emirati-Israelense e lembrou o embaixador palestino dos Emirados Árabes Unidos. O Irã reagiu de forma particularmente dura a este evento. O vice-ministro iraniano Hossein Amir-Abdollahian lembrou aos líderes dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein o destino do ex-presidente egípcio Anwar Sadat, que assinou um tratado de paz com Israel em 1979 e foi assassinado em 1981 por terroristas islâmicos em vingança por seu diálogo com o Estado judaico.

A normalização das relações entre os países, na maioria dos casos, leva a conseqüências positivas. Em 16 de abril de 2021, um encontro histórico de representantes de Israel, Grécia, República de Chipre e Emirados Árabes Unidos foi realizado em Chipre, na cidade de Paphos. As negociações concentraram-se na epidemia do coronavírus e suas conseqüências, na cooperação econômica, na energia e no turismo. Em 7 de abril, pela primeira vez na história dos países árabes, foram realizados eventos nos Emirados Árabes Unidos e no Bahrein para comemorar as vítimas do Holocausto.

Em conclusão, o tratado de paz de Israel com os Estados do Oriente Médio estimulará a normalização das relações entre o Estado judaico e o mundo árabe. Os conflitos árabe-israelense têm diminuído nos últimos anos, e agora é hora de se engajar. Se houver cooperação, a posição do Irã no Oriente Médio poderá enfraquecer e, então, a liderança da República Islâmica terá que seguir uma política mais matizada. Mas em geral, a paz entre judeus e árabes poderia desempenhar um papel positivo no fim do eterno conflito entre Oriente e Ocidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *