O Ocidente está perdendo a Nova Zelândia?

Via New Eastern Outlook

Há anos, o mundo inteiro vem sendo dominado pelo confronto sino-americano. A China está empurrando ativamente os EUA e outros países ocidentais das primeiras posições em várias esferas da economia e da política mundial, e os EUA estão resistindo ferozmente a isso. Importantes aliados dos EUA no Ocidente são os principais estados da Anglosfera – o Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia. Já na Segunda Guerra Mundial, os serviços de inteligência desses países começaram a cooperar, o que levou ao surgimento da Five Eyes Intelligence Alliance, cujo sistema de coleta e transmissão de informações envolve todo o mundo ocidental.

Quando o atual período de agravamento das relações sino-americanas começou, os EUA começaram a envolver ativamente todos os seus parceiros no confronto. A cooperação dentro da estrutura da Five Eyes Alliance também começou a se orientar numa direção anti-chinesa. Assim, a fim de proteger as informações estratégicas dos estados da aliança contra a inteligência chinesa, por instigação dos Estados Unidos, foi lançado um processo de forçar empresas chinesas de telecomunicações como a Huawei e a ZTE a sair dos estados dos Cinco Olhos.

Entretanto, inesperadamente para Washington, nem todos os membros da aliança concordaram em seguir incondicionalmente suas exigências. A Nova Zelândia começou a sabotar a luta americana com a China.

Lembre-se que a China é seu maior parceiro comercial, sendo responsável por até um terço de todas as exportações da Nova Zelândia, e que antes da pandemia da COVID-19 em 2019, uma das principais fontes de divisas do país eram os turistas da RPC.

Quando os EUA exigiram em 2018 que todos os membros da Five Eyes parassem de comprar e usar equipamentos de telecomunicações chineses por causa da ameaça de espionagem, a Nova Zelândia inicialmente obedeceu e proibiu o uso de equipamentos Huawei na construção de sua rede 5G no final de 2018. Entretanto, em janeiro de 2019, a China impôs sanções comerciais preventivas contra a Nova Zelândia, e no mês seguinte, a primeira-ministra Jacinda Ardern disse que a Huawei poderia participar dos trabalhos da futura rede 5G da Nova Zelândia após uma verificação de segurança do projeto pelo Escritório de Segurança das Comunicações do Governo da Nova Zelândia (GCSB).

Pouco depois, em abril de 2019, Jacinda Ardern visitou Pequim, onde se encontrou com o líder chinês Xi Jinping e se comprometeu a valorizar ainda mais as relações China-Nova Zelândia.

Algum tempo depois, houve outro balanço intrigante na Nova Zelândia entre os antigos parceiros e a China.

Em novembro de 2020, os membros da Five Eyes emitiram uma declaração conjunta pedindo à liderança da RPC que parasse com as medidas repressivas contra a oposição democrática no Conselho Legislativo de Hong Kong. Depois disso, o Five Eyes foi regularmente criticado pelo Ministério das Relações Exteriores da China. Pequim alegou que os membros da aliança formaram uma “conspiração” contra ela. A Nova Zelândia logo se associou a esta crítica. Em abril de 2021, a Ministra das Relações Exteriores da Nova Zelândia Nanaia Mahuta disse que seu país estava desconfortável com o alcance dos Cinco Olhos. De acordo com ela, a Nova Zelândia não se congratula com o envolvimento dos Cinco Olhos em falar sobre questões fora da alçada da aliança. Mahuta também disse que, como a China é o principal parceiro comercial da Nova Zelândia, ela agora precisa de relações diplomáticas previsíveis com aquele país. A Nova Zelândia se reserva o direito de falar sobre questões em que não concorda com Pequim, como a situação em Hong Kong ou na Região Autônoma Xinjiang Uygur (XUAR), onde os países ocidentais acreditam que as minorias étnicas e religiosas são oprimidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *