O agrônomo socialista que ajudou a acabar com o colonialismo português

Via Jacobin

Antes do seu assassinato em 1973, Amílcar Cabral era um dos principais nomes nas lutas anticoloniais da África – um brilhante agrônomo e socialista cuja liderança na luta armada contra o domínio português colocou o império de joelhos.

Nascido em 1912, Amílcar Lopes de costa Cabral foi um teórico marxista prolífico que não só liderou a guerra de independência que derrubou o domínio português na Guiné-Bissau e Cabo Verde, mas influenciou a luta pela descolonização em todo o continente.

A primeira batalha – uma guerra de libertação de treze anos que ficou conhecida como “Vietnã de Portugal” – na qual dez mil membros do Partido Africano de Cabral para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) venceram trinta e cinco mil soldados e mercenários portugueses . Durante décadas, os portugueses dirigiram um regime colonial profundamente explorador e profundamente repressivo. Então, em 3 de agosto de 1959, as autoridades coloniais mataram cinquenta estivadores em greve sob a liderança do PAIGC. O massacre convenceu muitos no movimento de libertação de que um caminho pacífico para a independência nacional era impossível. Eles teriam que pegar em armas.

Agrônomo de formação, Cabral era um pan-africanista e socialista comprometido – defendendo a independência de todas as colônias africanas de Portugal, ao mesmo tempo que trabalhava para criar um bloco socialista unificando a Guiné-Bissau e Cabo Verde. Nas áreas libertadas durante a guerra, Cabral começou a construir uma economia social-democrática que apresentava planejamento estatal, empresas estatais, cooperativas e pequenas empresas privadas.

Cabral não viveu para ver uma Guiné-Bissau e Cabo Verde livres, ele foi morto em 20 de janeiro de 1973, por um sicário financiado por Portugal. Não obstante, a luta de libertação que liderou ajudou a desencadear a queda da ditadura fascista de Portugal e de seu Império colonial .

Em sua nova biografia, “Amílcar Cabral: um nacionalista e revolucionário pan-africanista”, o acadêmico guineense Peter Karibe Mendy fornece uma introdução acessível à vida de um dos pensadores e estadistas mais originais da África.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *