Em ação sem precedentes, Reino Unido e Canadá impõem sanções a Lukashenko

Via RT

Os governos britânico e canadense impuseram sanções, na terça-feira, contra o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, juntamente com seu filho mais velho, Viktor, e outros seis altos funcionários do aparato estatal.
As sanções significam que aqueles que constam da lista são proibidos de viajar para o Reino Unido e Canadá, e quaisquer bens que detenham nesses países serão imediatamente congelados. Lukashenko é o primeiro líder mundial a ser visado pelo novo regime de sanções de Direitos Humanos Globais do Reino Unido.

“O regime de Alexander Lukashenko é responsável por uma série de violações dos direitos humanos contra figuras da oposição, a mídia e o povo da Bielorússia na sequência de eleições fraudulentas”, disse a declaração do governo britânico. “Apesar dos numerosos apelos da comunidade internacional, ele se recusou a dialogar com a oposição, optando, em vez disso, por dobrar sua repressão violenta”.

A declaração citou o chanceler britânico Dominic Raab, que explicou que as sanções foram impostas “em resposta à tortura e aos maus-tratos de centenas de manifestantes pacíficos”.

Lukashenko foi eleito para um sexto mandato como presidente bielorrusso em 9 de agosto, em um concurso que muitos consideram ter sido manipulado. De acordo com os resultados oficiais, ele recebeu 80,10% dos votos, com a candidata da oposição Svetlana Tikhanovskaya recebendo 10,12%.

Imediatamente após o fechamento dos postos de votação, começaram os protestos em massa contra a suposta falsificação dos resultados. Durante os primeiros dias de comícios, a polícia e os soldados usaram gás lacrimogêneo, granadas atordoantes e balas de borracha para dispersar os manifestantes, com relatos de múltiplas fatalidades. Nas semanas seguintes, os protestos se tornaram menos frequentes e menos violentos, mas ainda atraem milhares de cidadãos bielorrussos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *