Hoje na história: massacre de comunistas na Indonésia

Via Redfish

Hoje faz 55 anos que ocorreu um motim fracassado de oficiais militares de esquerda indonésios que levou a uma contrarevolução de direita apoiada pela CIA, MI6 e outros serviços de inteligência estrangeiros que orquestrariam uma campanha de massacres e instalariam uma ditadura brutal e corrupta apoiada pelos EUA.

Foi assim que soldados apoiados pelos EUA reuniram milhões de comunistas, sindicalistas e outros supostos simpatizantes de esquerda na Indonésia, para serem brutalmente assassinados ou colocados em um campo de concentração.

Estes massacres anticomunistas destruíram o popular Partido Comunista da Indonésia (PKI) que no seu auge se tornou o maior partido comunista do mundo fora da China e da União Soviética, com 3,5 milhões de membros, e outros 20 milhões em organizações filiadas.

Temendo uma revolução popular, o reacionário general Suharto aproveitou o motim fracassado como uma oportunidade para iniciar uma campanha de erradicação política, culpando o motim e a morte de 6 generais de direita por uma conspiração comunista, embora não houvesse envolvimento do PKI.

Para alimentar o medo e o ódio contra o PKI, foram fabricadas histórias horríveis alegando que os generais foram torturados e mutilados por mulheres do movimento de massa de mulheres de esquerda, Gerwani. A história seria ensinada durante décadas nas escolas na forma de um filme de propaganda que as crianças tinham que assistir todos os anos.

Quando o general Suharto tomou posse, o governo do presidente nacionalista de esquerda Sukarno entrou em colapso, abrindo caminho para uma investida violenta na qual mais de 1 milhão de pessoas foram assassinadas e mais de 1 milhão foram aprisionadas em campos de concentração. Os assassinatos não foram apenas em grande escala, mas excepcionalmente violentos, com aldeias inteiras incendiadas, decapitações, torturas, estupros e o empilhamento de cadáveres que impediriam os rios de fluir.

As matanças em massa foram um dos grandes crimes do século XX, mas foram possivelmente a maior “vitória” para o Ocidente em toda a Guerra Fria. Após o estabelecimento de uma ditadura de direita sob Suharto, as corporações ocidentais se instalaram no país logo em seguida. Todas as idéias e atividades comunistas foram proibidas – e continuam a sê-lo até hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *