EUA e União Europeia provocam crise alimentar na Síria

Via Rede Voltaire – Tendo a Coalizão Internacional perdido toda a esperança de destruir a República Árabe Síria pela força, tentam agora os Estados Unidos e a União Europeia conseguir isso através da fome.

O cerco do país começou. As sanções econômicas foram muito duramente reforçadas e se iniciarão já no meio de Junho. Qualquer pessoa ou entidade que negocie com a Síria será severamente condenada pelos Estados Unidos e pela União Europeia (Lei César).

Estas «sanções» são ilegais em vista do Direito Internacional. Aquelas que impedem o fornecimento em equipamentos médicos são crimes sob as Convenções de Genebra.

Os jiadistas no Norte e as tropas dos EUA no Sul começaram a incendiar os campos de maneira coordenada. A Síria apresentou queixa perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Em alguns dias, os produtos alimentares importados se tornaram impossíveis de encontrar e o preço dos produtos locais subiu em flecha. A libra síria entrou em colapso no mercado de câmbio. Hoje, ela é negociada no mercado negro a um quarto de seu valor oficial.

A Presidência da República preparou um plano para a autossuficiência alimentar, cuja aplicação prática exigirá vários anos. A Rússia salvará a população no curto prazo, mas o tempo é essencial para evitar a fome no médio prazo.

Manifestações começaram, em 9 de Junho, para exigir comida. Em algumas cidades, as pessoas vão procurar alimentos nas lixeiras. A Síria jamais conheceu problemas alimentares durante a guerra, salvo nas áreas ocupadas pelos jiadistas. Esses chantageavam a população para lhe dar acesso à alimentação.

O Presidente al-Assad demitiu o Presidente do Conselho de Ministros, Imad Khamis, em 11 de Junho de 2020. A Síria é um regime presidencialista como os Estados Unidos. Ela, não tem, portanto, Primeiro-Ministro, ao contrário do que a imprensa ocidental narra.

Tradução Alva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *