Jornal El Clarin do Chile afirma que Lava Jato tem objetivo de destruir o Brasil e a América Latina

Por El Clarin Chile

Em dezembro de 2017, o jornal Clarin do Chile mostrou que em um discurso, no dia 19 de julho de 2017, o vice-procurador-geral em exercício dos Estados Unidos, Kenneth A. Blanco, que dirige a Divisão Criminal do Departamento de Justiça, disse que a condenação ditada ao ex-presidente do Brasil, Lula da Silva era exemplo dos “resultados extraordinários” alcançados graças à colaboração do Departamento de Justiça (DOJ) junto com procuradores brasileiros na chamada campanha “anti-corrupção” da chamada “Lava Jato”.

Em particular, a unidade da Divisão Criminal do DOJ que administra a operação “Lava Jato” anti-corrupção é a Seção de Fraude. De novembro de 2014 a junho de 2017 quem dirigiu a seção de fraude do DOJ, não era outro senão Andrew Weissmann, que foi transferido naquela data em junho de 2017 para fazer parte do grupo de choque contra Trump, liderado pelo procurador especial Robert Mueller. Weissman tem sido o companheiro de Mueller no FBI, cujo registro de má conduta lhe valeu o apelido de “pit bull judicial do Mueller”.

Agora que a equipe de Mueller, que trabalha contra a Presidência dos Estados Unidos tem cada vez mais e mais membros de sua equipe expostos devido a corrupção e atos ilegais, é certo que a operação ibero-americana, Lava Jato, terá o mesmo destino e possivelmente irá para a prisão, que é onde eles devem estar.

Como já é conhecido, Weissman foi removido da equipe de caça às bruxas porque o seu desvio a favor de Hillary Clinton e seu servilismo em relação ao procurador-geral de Barack Obama foram divulgados publicamente. Agora, sempre que Weissman é mencionado na imprensa americana é para referir-se à corrupção profunda que inunda o Departamento de Justiça e o FBI.

O ex-presidente do Brasil e da Argentina, Dilma Rousseff e Cristina Fernandez de Kirchner, respectivamente, denunciaram na semana passada que líderes nacionalistas e progressistas de todas as nações ibero-americanas são sistematicamente sujeitos ao que chamam de “lawfare”, o uso da lei como arma de guerra, com o propósito de impor mudanças de regime e mudar os líderes do governo afim de impor as políticas de austeridade neoliberal que destruirão a região. O discurso de Blanco demonstra que, por trás da tal “lawfare”, existem os mesmos interesses imperiais que pretendem executar um golpe de Estado nos Estados Unidos para depor o presidente Donald Trump do seu cargo.

Blanco se vangloriou do papel desempenhado pelo DOJ em toda essa farsa, em um discurso que pronunciou em um evento do Conselho Atlântico e no Diálogo Interamericano sobre “Lições do Brasil: crise, corrupção e cooperação global”. Blanco recebeu seu “amigo, o procurador-geral brasileiro Rodrigo Janot”, um dos principais homens atingidos na operação Lava Jato, que compartilhou o pódio com Blanco.

“É difícil imaginar um melhor relacionamento cooperativo na história recente do que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e os procuradores brasileiros. Nós cooperamos e nós ajudamos de forma substancial em uma série de questões públicas que agora foram resolvidas, e continuamos com isso em uma série de investigações que estão sendo realizadas”, disse Blanco.

“A cooperação entre o Departamento [DOJ] e o Brasil levou a resultados extraordinários. No ano passado, por exemplo, a seção de fraude da divisão criminal e a equipe da operação brasileira Lava Jato, estavam cooperando e coordenando resoluções em quatro casos relacionados à Lei sobre práticas corruptas no exterior (FCPA em suas abreviaturas em inglês): Embraer, Rolls Royce, Braskem e Odebrecht. A Odebrecht é particularmente notável em vista do seu alcance e extensão “, continuou Blanco.

“Na verdade, apenas na semana passada, os promotores no Brasil chegaram a um veredicto de culpa contra o ex-presidente Lula da Silva, acusado de receber subornos da empresa de engenharia OEA em troca de sua ajuda na obtenção de contratos com a empresa Petrobras. Casos como esse, é o que colocou o Brasil na vanguarda dos países que trabalham para combater a corrupção, tanto dentro como fora de seu país “.

Blanco revelou que a cooperação entre o DOJ e os promotores brasileiros é tão grande, que eles operam fora dos “processos formais, como os tratados de assistência jurídica mútua”, muitas vezes simplesmente se convocando para passar. ou solicitar provas, e apenas se preocupar com as “formalidades” legais quando é necessário que a prova seja admissível quando o processo chegar ao julgamento.

Procuradores da região (“meu bom amigo Raúl Cervantes, procurador-geral do México, meu bom amigo, o procurador-geral panameuense Kenia Porcell”, do Equador e Colômbia) entram e saem dos escritórios do Departamento de Justiça dos Estados Unidos para falar sobre ações contra a “corrupção”, como Blanco se vangloriava também. Embora ele não tenha mencionado o juiz argentino Claudio Bonadio, que liderou as atrocidades judiciais contra a ex-presidente Cristina Fernández de Kirchner, ele também faz parte da mesma equipe de choque político.

Um comentário em “Jornal El Clarin do Chile afirma que Lava Jato tem objetivo de destruir o Brasil e a América Latina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *