Os preços globais dos alimentos alcançam os maiores níveis desde 2014

Via RT

Os preços mundiais dos alimentos subiram em janeiro pelo oitavo mês consecutivo, liderados por cereais, óleos vegetais e açúcar, de acordo com um relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

A FAO disse que seu índice de preços de alimentos marcou um aumento de 4,3% a partir de dezembro, atingindo seu nível mais alto desde julho de 2014. O índice acompanha as mudanças mensais nos preços internacionais das commodities alimentares comumente comercializadas.

O índice de preços de cereais mostrou um aumento mensal acentuado de 7,1%, liderado por um aumento global no preço do milho, a cultura que os norte-americanos chamam de milho.

Os preços do milho subiram 11,2% e agora estão 42,3% acima de seu nível de janeiro de 2020, “refletindo uma oferta global cada vez mais restrita em meio a compras substanciais por parte da China e estimativas de produção e estoque inferiores ao esperado nos Estados Unidos da América, bem como uma suspensão temporária dos registros de exportação de milho na Argentina”.

O relatório também disse que o trigo aumentou 6,8% impulsionado pela forte demanda global e pelas expectativas de redução das vendas da Rússia quando suas taxas de exportação de trigo dobraram em março de 2021. A forte demanda por arroz por parte dos compradores asiáticos e africanos sustentou o forte crescimento dos preços para essa cultura.

O óleo vegetal de janeiro foi vendido por 5,8% a mais do que em dezembro, atingindo seu preço mais alto desde maio de 2012. Os motoristas incluíram a produção de óleo de palma inferior ao esperado na Indonésia e Malásia “devido ao excesso de chuvas e à contínua escassez de mão de obra migrante, e greves prolongadas na Argentina reduzindo a disponibilidade para exportação de óleo de soja”.

O índice de preços do açúcar foi 8,1% mais alto do que em dezembro, pois a robusta demanda global por importações estimulou preocupações sobre a menor disponibilidade devido ao agravamento das perspectivas de safra na União Européia, Rússia e Tailândia, bem como condições climáticas mais secas do que o normal na América do Sul.

A FAO disse que o índice de preços de laticínios também saltou 1,6%, sustentado pelas altas compras da China antes das próximas festividades de Ano Novo do país, em meio a uma menor oferta sazonalmente exportável na Nova Zelândia.

O aumento de 1,0% do índice de preços da carne a partir de dezembro foi liderado pela “rápida importação global de carne de aves, especialmente do Brasil, em meio a surtos de gripe aviária que restringiram a produção e as exportações de vários países europeus”, disse o relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *