Jeanine Añez ditadora imposta pelo golpe militar é presa na Bolívia

A ex-presidente golpista da Bolívia, Jeanine Añez, foi presa por estar envolvida no golpe militar que derrubou o governo legítimo boliviano de Evo Morales.

Áñez foi preso neste sábado no âmbito do mandado de prisão contra ele pelo caso do golpe contra o ex-mandatário Evo Morales, perpetrado em novembro de 2019.

A polícia boliviana publicou imagens da captura do ex-presidente “de facto” da Bolívia Jeanine Áñez, que, junto com seus principais colaboradores, é acusada de “terrorismo, sedição e conspiração” no âmbito do caso do golpe de Estado contra Evo Morales em 2019.

Pouco antes, a prisão de Añez foi confirmada pelo Ministro do Governo Eduardo Del Castillo. “Informo o povo boliviano que a Sra. Jeanine Añez foi detida e está agora nas mãos da polícia”, escreveu o ministro em sua conta no Twitter.

Após sua apreensão, Añez denunciou que ela foi vítima de “abuso e perseguição política”. “Denuncio perante a Bolívia e o mundo, que em um ato de abuso e perseguição política o governo do MAS me mandou prender”. Ele me acusa de ter participado de um golpe de Estado que nunca aconteceu. Minhas orações pela Bolívia e por todos os bolivianos”, escreveu a exmandataria ‘de facto’ em sua conta no Twitter.

O governo boliviano, por sua vez, disse que não há “perseguição política” contra Añez.

O Ministério Público de La Paz emitiu mandados de prisão pelos crimes de “terrorismo, sedição e conspiração”, contra Añez e seus ex-ministros Arturo Murillo (Governo); Luis Fernando Lopez (Defesa); Álvaro Coimbra (Justiça); e Rodrigo Guzman (Energia).

Da mesma forma, Palmiro Jarjuri, que era comandante da Marinha; Jorge Gonzalo Terceros, ex-comandante da Força Aérea; e o General Gonzalo Mendieta, ex-comandante do Exército, foram mandados prender.

Na quarta-feira, 10 de março, as autoridades prenderam o ex-líder militar Flavio Arce San Martín, que servia como chefe de pessoal do exército boliviano na época do golpe contra Morales.

Enquanto isso, na sexta-feira pela manhã, a polícia executou mandados de prisão para os ex-ministros Coimbra e Guzmán, que foram detidos em Trinidad, no departamento norte-central de Beni.

A investigação apresentada no Ministério Público em La Paz responde a uma queixa apresentada pela ex-congressista Lidia Patty, que acusou o líder da oposição Luis Fernando Camacho, assim como ex-chefes militares e policiais, pelos eventos que levaram à demissão de Morales.

O golpe de Estado

Após as eleições de 20 de outubro de 2019, nas quais Evo Morales obteve uma vantagem de mais de 10 pontos sobre seu principal candidato, Carlos Mesa, a Organização dos Estados Americanos (OEA) publicou um controvertido relatório preliminar argumentando alegadas irregularidades no processo, e o chefe da organização, Luis Almagro, pediu a anulação das eleições.

Em meio a fortes protestos na Bolívia após os resultados das eleições, Morales anunciou novas eleições. Entretanto, a pressão das Forças Armadas e da Polícia Nacional o obrigou a renunciar à Presidência em 10 de novembro de 2019.

Após o golpe, Morales fugiu para o México para salvar sua vida e Áñez, que na época era o antigo segundo vice-presidente do Senado boliviano, proclamou-se presidente interino do país, em uma sessão legislativa sem quorum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *