‘Não seremos silenciados’: AP e Al Jazeera condenam ataques de Israel contra seus escritórios em Gaza

A Associated Press e a Al Jazeera emitiram declarações condenando o bombardeio de escritórios de mídia em Gaza pelos militares israelenses, alegando que o ataque “perturbador” quase matou vários repórteres.
Após o bombardeio direcionado no sábado, que destruiu o prédio contendo escritórios de mídia internacional em Gaza, o presidente e CEO da AP, Gary Pruitt, disse que a empresa estava “chocada e horrorizada que os militares israelenses iriam destruir o prédio”, como “há muito tempo a localização de nosso escritório e sabia que jornalistas estavam lá. ”

“Estamos buscando informações do governo israelense e estamos trabalhando com o Departamento de Estado dos EUA para tentar aprender mais”, revelou ele, chamando o bombardeio de “um desenvolvimento incrivelmente perturbador”.

Embora a organização de notícias tenha recebido um aviso para evacuar o prédio cerca de uma hora antes do ataque aéreo, Pruitt disse que eles “evitaram por pouco uma terrível perda de vidas”.

“Uma dúzia de jornalistas e freelancers da AP estavam dentro do prédio e, felizmente, pudemos evacuá-los a tempo”, concluiu.

O mundo saberá menos sobre o que está acontecendo em Gaza por causa do que aconteceu hoje.

Em sua própria declaração, a Al Jazeera acusou o governo israelense de tentar “silenciar a mídia que está testemunhando, documentando e relatando a verdade sobre o que está acontecendo em Gaza”.

“Este é um crime entre uma série de crimes perpetrados pelo exército israelense na Faixa de Gaza”, disse o chefe do escritório da Al Jazeera em Jerusalém, Walid al-Omari, que acrescentou que seria “impossível” impedir a verdade.

As Forças de Defesa de Israel justificaram o ataque alegando que o Hamas também estava usando o prédio para “coleta de inteligência” e outros fins, e que, portanto, havia se tornado um “alvo militar legal”.

Após o bombardeio da torre, uma âncora inglesa da Al Jazeera declarou no ar: “Este canal não será silenciado. A Al Jazeera não será silenciada. ”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *