O Imperialismo há muito exige o “direito de defesa” contra os povos que colonizaram

Via Al Jazeera

A violência que convulsiona o Oriente Médio produziu imagens e estatísticas assustadoras. Enquanto escrevo, pelo menos 160 pessoas, a grande maioria delas palestinas, incluindo pelo menos 41 crianças – a grande maioria palestina – foram mortas enquanto os militares israelenses realizavam bombardeios em regiões de Gaza densamente povoada e grupos palestinos armados lançavam foguetes em cidades israelenses. Enquanto isso, a violência nos bairros mistos irrompeu em todo país.

Em resposta, os governos ocidentais, liderados pelo presidente americano Joe Biden, têm sido rápidos em condenar inequivocamente os grupos palestinos pelas barragens de foguetes, mas têm sido muito mais circunspectos em condenar o ataque de Israel contra civis palestinos.

Expressões tépidas de “consternação” e “grave preocupação” com as mortes palestinas foram intercaladas com declarações de “apoio inabalável à segurança de Israel e ao legítimo direito de Israel de se defender”. Elas também incluíram apelos por “clareza moral”, implicando que as ações de grupos palestinos, embora causando uma pequena fração da morte e destruição que o bombardeio israelense causou, foram, no entanto, muito mais censuráveis.

Enquanto alguns políticos progressistas – como a congressista norte-americana Alexandria Ocasio-Cortez – apontaram a hipocrisia de uma afirmação genérica do direito israelense à autodefesa, até mesmo eles se recusaram a rejeitar abertamente as justificativas israelenses.

Os ocupantes coloniais há muito reivindicam o “direito” de se defenderem da resistência das comunidades nativas, inclusive cometendo assassinatos em massa. A história da colonização africana está repleta de cadáveres e valas comuns daqueles que ousaram resistir aos europeus militarmente superiores.

Em seu livro, o Gulag britânico, a historiadora Caroline Elkins descreve uma “campanha assassina” dos britânicos no Quênia colonial após a revolta dos camponeses Mau Mau Mau nos anos 50, incluindo o estabelecimento de campos de concentração para 1,5 milhões de civis Kikuyu e um sistema brutal de campos de tortura que pode ter custado a vida de dezenas, talvez centenas, de milhares dos suspeitos de se terem comprometido com a rebelião.

A idéia de que os apanhadores de terras imperiais têm o direito de aterrorizar, brutalizar, torturar e assassinar aqueles cujas terras roubam sob a rubrica de “autodefesa” voa em face da Resolução 37/43 da Assembléia Geral das Nações Unidas de 1982 que reconheceu “a legitimidade da luta dos povos pela independência, integridade territorial, unidade nacional e libertação do domínio colonial e estrangeiro e da ocupação estrangeira por todos os meios disponíveis, incluindo a luta armada”. Essa resolução reafirmou especificamente esse direito no caso da luta palestina.

Assim, hoje em Gaza, em vez de buscar “clareza moral”, o Ocidente está usando a ofuscação moral para justificar ataques a uma população refugiada por uma potência colonial que os expulsou de suas terras, os bloqueou no que é, em essência, uma prisão ao ar livre, e depois reivindica o direito de fazê-lo em paz e tranqüilidade.

Quando a mídia ocidental fala de um “ciclo de escalada”, ela equipara a opressão à resistência à opressão, apresentando a violência como um conflito entre dois lados com reivindicações iguais de segurança e de terra. Ela ignora que os palestinos estão engajados numa luta de libertação nacional contra uma ocupação ilegal e imoral de décadas, e a imposição de um regime de discriminação racial e étnica que a Human Rights Watch, em um relatório que a mídia se recusa a trazer à tona, diz que se encaixa na definição do crime internacional do apartheid.

Em entrevistas, os porta-vozes israelenses enfatizam repetidamente a dificuldade que o autodeclarado “maior exército moral do mundo” de Israel tem em encontrar e matar o que são, em essência, líderes da resistência palestina, que, dizem eles, estão se escondendo atrás de civis.

A imprensa ocidental está feliz em aceitar que os líderes do Hamas e de outros grupos são alvos legítimos e, com isso, a implicação de que, embora suas táticas possam ser um pouco repulsivas, Israel está empreendendo uma guerra legítima. A aceitação acrítica deste enquadramento torna a mídia ocidental cúmplice na deslegitimação da resistência palestina à dominação colonial e à despossessão pelo Estado israelense.

Como Ocasio-Cortez salientou, regurgitar a linha de que “Israel tem o direito de se defender” sem incluir o contexto de opressão simplesmente desculpa e legitima ainda mais opressão. Mas ela deveria ter ido mais longe. Se a mídia, políticos e diplomatas ocidentais realmente buscam clareza moral, ela os obriga a rejeitar liminarmente, como a luz do gás e o bothsidesismo, a proposta ultrajante de que Estados coloniais como Israel têm o direito de se defender daqueles que oprimem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *