O presidente Bashar Assad vence as eleições com 95,1% dos votos na Síria

Via RT

O Presidente Bashar Assad foi reeleito para um quarto mandato com mais de 95% dos votos , derrotando dois desafiantes – incluindo um ex-funcionário superior de uma coalizão rebelde, as autoridades sírias anunciaram.

A participação nas eleições de quarta-feira foi de 78%, com Assad conquistando mais de 13 milhões de votos, de acordo com Hammouda Sabbagh, presidente da legislatura síria.

Mahmoud Ahmad Marei, que antes atuava como secretário-geral da coalizão rebelde Frente Nacional pela Libertação da Síria, recebeu cerca de 470.276 votos, ou 3,1%, enquanto Abdullah Sallum Abdullah do Partido Socialista Unionista ficou em terceiro com cerca de 213.968 votos, ou 1,5%.

O número total de eleitores elegíveis foi de 14.239.140 dos 18.107.000 sírios atualmente dentro ou fora do país, de acordo com o Ministro do Interior Muhammad al-Rahmoun.

“Obrigado a todos os sírios por seu alto senso de nacionalismo e sua notável participação”, disse Assad em uma declaração depois que os resultados foram anunciados. “Para o futuro das crianças sírias e de sua juventude, vamos começar a partir de amanhã nossa campanha de trabalho para construir esperança e construir a Síria”.

As potências ocidentais haviam denunciado antecipadamente a eleição como “ilegítima” e “não ser livre nem justa”, argumentando que o “regime Assad” estava negando o voto aos deslocados e à diáspora. Enquanto Damasco convocou a eleição de acordo com a constituição síria, os ministros das relações exteriores dos EUA, Reino Unido, França, Alemanha e Itália protestaram que ela estava sendo realizada “fora do quadro descrito na Resolução 2254 do Conselho de Segurança da ONU”.

Os sírios responderam que a razão pela qual muitos de seus concidadãos da diáspora não puderam votar foi porque esses governos e seus aliados haviam fechado as embaixadas sírias durante a última década. Os cinco estados que condenaram a eleição também apoiaram os militantes que procuravam derrubar o governo em Damasco desde 2011.

O conflito se agravou com o surgimento do grupo terrorista Estado Islâmico (IS, antigo ISIS) que reivindicou grande parte do país, até que a Rússia enviou uma força expedicionária a pedido de Assad no final de 2015.

Could Russia be preparing to abandon Syria's Bashar al Assad?

A Síria havia convidado observadores eleitorais internacionais da Rússia, China, Índia, Brasil, África do Sul, Venezuela, Cuba, Nicarágua, Bolívia, Equador e Armênia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *