O governo golpista boliviano estava tramando um golpe de Estado com a ajuda de mercenários americanos

Via RT

De acordo com documentos vazados, os altos funcionários do governo de Jeanine Anez planejaram um segundo golpe de Estado para permanecer no poder na Bolívia. O plano supostamente envolvia centenas de mercenários norte-americanos que vinham da Flórida.

Anez tomou o poder na Bolívia em novembro de 2019, após protestos em massa apoiados pelos militares e policiais do país forçaram Evo Morales a fugir do país em vez de continuar governando por um quarto mandato presidencial após vencer as eleições. Os protestos foram desencadeados por alegações de fraude eleitoral, que foram promovidas pela Organização dos Estados Americanos e mais tarde provaram ser infundadas.

O novo governo usou a força para reprimir as pessoas dissidentes do partido de esquerda de Morales em direção ao Socialismo (MAS) e fez uma curva acentuada para a direita. Também adiou repetidamente a realização de uma nova eleição, que deveria ser o objetivo principal da presidência de Anez.

Pressionada por protestos em massa, ela acabou concordando em realizar a votação no último outono. O candidato do MAS Luis Arce, que serviu como ministro da economia de Morales, venceu em um deslizamento de terra, evitando um segundo turno ao obter 55,1% dos votos. A própria Anez chegou a um distante quarto turno.

Enquanto Arce comemorava sua vitória, Anez e seus ministros tramavam um segundo golpe, o que lhes permitiria derrubar a vontade do povo boliviano, informou na quinta-feira a Intercept, citando registros de conversas e trocas de e-mails que detalhavam a conspiração.

As figuras-chave do plano eram Luis Fernando Lopez, que serviu como ministro da defesa de Anez, e Joe Pereira, um ex-administrador civil do Exército dos EUA, de acordo com o relatório. Pereira deveria recrutar mercenários nos EUA e ajudá-los a voar para a Bolívia. Lá, eles juntariam forças com tropas militares de elite do exército boliviano, unidades policiais e multidões de vigilantes de direita para anular os partidários do MAS.

“Posso conseguir até 10.000 homens sem problemas” Pereira vangloriou-se em uma suposta conversa. “Todas as forças especiais”. Também posso trazer cerca de 350 o que chamamos de LEPs, Profissionais da Polícia, para orientar a polícia”.

“Se precisar, eu os mandarei disfarçados, como se fossem fotógrafos, pastores, médicos, turistas…”

O número de tropas parece ser um orgulho da parte de Pereira. Um dos recrutadores que ele procurou por ajuda nos Estados Unidos disse à Intercept que “não se poderia conseguir 10.000 pessoas mesmo que Blackwater estivesse de volta aos negócios e voltando ao Iraque”. Mas as trocas de e-mails indicam que o planejamento estava em um estágio avançado e que pelo menos 250 empreiteiros estavam prontos para participar do ‘projeto Bolívia’, antes que ele fosse cancelado.

No lado boliviano, as autoridades tinham três aeronaves de transporte Hercules C-130 que podiam transportar por via aérea as armas contratadas e suas armas dos EUA. Pereira disse que queria “buscar pessoal no Comando Sul na Base Aérea de Homestead, em Miami”. Duas fontes militares dos EUA disseram à Intercept que o comando de Operações Especiais dos EUA estava ciente da trama do golpe, mas uma fonte disse que “ninguém realmente os levava a sério”.

Alguns detalhes das conversas correspondiam muito bem às afirmações que Morales fez no início de novembro. Ele acusou o General Sergio Orellana, que foi nomeado comandante das Forças Armadas Bolivianas por Anez, de pressionar outros oficiais militares de alta patente a lançar uma junta militar para impedir uma presidência do Acre. Lopez garantiu aos co-conspiradores que Orellana estava pronto para iniciar “a operação militar” contra o MAS.

Os planos nunca foram colocados em ação. Lopez aparentemente não conseguiu garantir o apoio de um número suficiente de comandantes militares e teve uma desavença com o então Ministro do Interior Arturo Murillo, que estava a cargo da polícia. O General Orellana e ambos os ministros estavam entre os membros da administração Anez que fugiram da Bolívia após a vitória de Arce e antes de sua tomada de posse.

Murillo foi preso pelo FBI no mês passado. Ele é suspeito de aceitar um suborno para assinar um contrato de fornecimento de gás lacrimogêneo de uma empresa sediada na Flórida a um preço inflacionado.

Anez foi presa e acusada de crimes relacionados com a forma como tomou o poder na Bolívia. Pereira também está presa em uma prisão boliviana à espera de julgamento por acusações de fraude.

A Intercept acredita que era altamente improvável que a trama tivesse alguma aprovação tácita ou apoio do governo dos EUA. Parece mais próximo, por natureza, da tentativa de derrubar o governo venezuelano, que envolveu a empresa de segurança privada Silvercorp USA.

A incursão de mercenários norte-americanos, que ocorreu em maio de 2020, terminou em um fracasso humilhante e foi apelidada com desdém por alguns meios de comunicação de “invasão da Baía dos Leitões”, referindo-se à invasão fracassada de Cuba pela CIA em 1961.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – www.DeepL.com/Translator

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *