O coronavirus teria surgido do laboratório americano Fort Detrick?

Via People of China

A comunidade internacional, incluindo a China, tem todas as razões para levantar questões sobre o Fort Detrick e apelar à Organização Mundial da Saúde (OMS) para investigá-lo minuciosamente pela segurança das pessoas em todos os países, disse na quinta-feira Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

Fort Detrick é uma instalação sob comando do Exército dos Estados Unidos localizada em Frederick, Maryland. Historicamente, Fort Detrick foi o centro do programa de armas biológicas dos EUA de 1943 a 1969. Desde a descontinuação desse programa, ele hospedou a maioria dos elementos do programa de defesa biológica dos Estados Unidos.

Sobre a questão do rastreamento da origem da COVID-19, algumas pessoas nos Estados Unidos podem de fato estar com a consciência culpada, disse Zhao, acrescentando que o lado dos EUA permaneceu em silêncio sobre as sérias preocupações levantadas pela comunidade internacional sobre o Fort Detrick e os mais de 200 laboratórios biológicos no exterior.

“O lado dos EUA deve entender que a comunidade internacional, incluindo a China, tem todas as razões para levantar questões sobre Fort Detrick, que tem um histórico ruim e é notório por violações de laboratório e vazamento de contaminantes, e exige esclarecimento e explicação do lado dos EUA e espera que a OMS conduza uma investigação completa sobre isso”, disse Zhao em uma coletiva de imprensa diária.

Essa exigência não é apenas para rastrear a origem da COVID-19, mas também para a segurança das pessoas em todos os países, disse ele. “O questionamento não terminará até que o lado dos EUA dê uma explicação razoável.”

Na coletiva de imprensa, Zhao fez comentários sobre uma reportagem da mídia que cientistas de dois laboratórios na Itália, incluindo o Instituto Nacional de Tumores de Milão, um centro de pesquisa do câncer, escreveram em um novo artigo publicado em 19 de julho, que retestou um pequeno número de amostras de sangue de pacientes pré-pandêmicos e descobriram a presença de anticorpos normalmente observados após infecções por coronavírus.

Zhao disse que há algum tempo, mais e mais relatórios apontam para surtos separados em vários lugares do mundo no segundo semestre de 2019, e pelo menos cinco estados apenas nos Estados Unidos tiveram infecções de COVID-19 antes do primeiro caso confirmado oficialmente.

Isso mostra mais uma vez que o rastreamento da origem da COVID-19 é um assunto científico complexo, que exige uma colaboração global de cientistas com uma perspectiva global, disse ele.

No entanto, algumas pessoas nos Estados Unidos ainda ignoram a ciência e os fatos. Obcecados com a manipulação política, eles estão promovendo a chamada “teoria do vazamento de laboratório”, defendendo o estudo das origens liderado pela inteligência, suprimindo e ameaçando especialistas e acadêmicos que estão tendo uma voz objetiva e racional, em uma tentativa de transferir a responsabilidade pela má resposta à epidemia desacreditando outros países, indicou Zhao.

“Alguns indivíduos nos Estados Unidos colocam a política acima da ciência e o ganho político egoísta acima da vida e da saúde das pessoas, o que em grande parte é responsável pela fraca resposta à epidemia”, disse o porta-voz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *