O número de mortos por Covid-19 ultrapassa 1 MILHÃO no mundo

Via RT

Infectando mais de 33 milhões desde o primeiro surgimento na cidade chinesa de Wuhan em dezembro passado, o número global de mortes na Covid-19 ultrapassou a marca de um milhão na noite de segunda-feira, segundo dados coletados pela Universidade Johns Hopkins.

A notícia foi recebida com uma declaração lúgubre da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC), que considerou a pandemia “uma das maiores catástrofes humanitárias dos últimos tempos”.

“Hoje, estamos solidários com as centenas de milhares de famílias que perderam entes queridos”, disse Jagan Chapagain, secretário geral da IFRC.

Um milhão de mortes representam um milhão de tragédias individuais e incontáveis desgostos. Eles representam muitos, muitos milhares de órfãos, de viúvas, de buracos em famílias e tecidos comunitários que nunca serão preenchidos.

Até hoje, a crise de saúde se espalhou para pelo menos 188 nações desde o final do ano passado, perturbando a vida diária de centenas de milhões de pessoas e estimulando políticas draconianas de fechamento que paralisaram faixas da economia mundial.

Os EUA continuam a relatar os maiores números de casos e fatalidades do mundo, com cerca de 7,1 milhões de infecções e mais de 205.000 mortes. A Índia ocupa o segundo lugar em número de casos, com mais de seis milhões, enquanto o Brasil relatou mais de 142.000 mortes, o que o coloca logo atrás dos Estados Unidos em número de mortes.

A Europa, por sua vez, está vendo o que alguns chamaram de “segunda onda” do vírus, com o Reino Unido e a França relatando seus maiores relatos diários de casos na semana passada. Ambos os países haviam começado a levantar as grandes paralisações econômicas impostas durante o pico da primeira onda na primavera passada, mas agora estão considerando novas medidas de contenção à luz do novo pico nos casos.

Embora a Organização Mundial da Saúde (OMS) tenha advertido que o número total de mortes no Covid-19 pode ultrapassar dois milhões quando as vacinas estiverem amplamente disponíveis para grande parte da população mundial, os esforços para desenvolver imunizações continuam em vários países, incluindo os EUA, o Reino Unido, a Austrália e a China. A Rússia tornou-se a primeira nação a estrear uma inoculação contra o patógeno mortal em agosto, chamada “Sputnik V.” De acordo com o Ministério da Saúde russo, o novo jab foi dado a mais de 5.000 voluntários, sem relatos de efeitos colaterais graves. A fase final dos testes para o Sputnik V verá cerca de 40.000 moscovitas serem vacinados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *