O que resta do partido iraquiano Ba’ath que estava no poder antes da invasão americana?

Via New Western Outlook

Antes de ser derrubado pelos americanos e seus aliados em 2003, Saddam Hussein, que governou o Iraque sozinho por 24 anos, liderou o ramo iraquiano do Partido Socialista Árabe Ba’ath, que desempenhou um papel crucial na vida de todos os iraquianos. Como era a fama de Saddam Hussein entre o povo, e por que o país praticamente não resistiu aos invasores estrangeiros? O que os iraquianos pensam hoje de seu ex-presidente? Como o Partido Ba’ath tem sido capaz de funcionar na clandestinidade desde sua proibição em 2003?

O Partido Social Árabe Ba’ath foi fundado na Síria por Michel Aflaq, Salah ad-Din al-Bitar e associados de Zaki al-Arsuzi. O partido defendia o Baathismo que é uma mistura ideológica de nacionalismo árabe, pan-arabismo, socialismo árabe e anti-imperialismo. O Baathismo pedia unificação do mundo árabe em um único estado. Seu lema, “Unidade, Liberdade, Socialismo”, refere-se a unidade árabe, e liberdade de controle e interferências não-árabes.

Quando Saddam Hussein chegou ao poder em 1979, ele, antes de mais nada, construiu um culto de personalidade. Ele tinha seus retratos pendurados em todos os escritórios das instituições estatais e tinha sua imagem aplicada às cédulas. O currículo escolar incluía um estudo obrigatório da biografia do presidente. As peças de revistas e trabalhos acadêmicos começaram e terminaram com elogios a Saddam Hussein. Foram escritos livros sobre ele, canções de louvor foram cantadas sobre ele e foram feitos filmes. Desde 1989, monumentos ao líder da nação haviam sido ativamente erguidos em todo o Iraque. Universidades e ruas foram batizadas em seu nome. Ocupado em 1990, o Kuwait foi nomeado como a província do Iraque, distrito de Saddamiyat al-Mitla.

Apesar dos intensos esforços de propaganda estatal para criar uma imagem de um pai cuidadoso da nação, o povo não gostava de Saddam Hussein. Em 1991, após a derrota na Guerra do Golfo, ondas de revoltas xiitas varreram o Iraque, para serem brutalmente reprimidas. No Iraque, a maior parte da população é xiita (cerca de 60%), mas desde o Império Otomano, a elite militar e política tem sido principalmente sunitas que vivem no norte (cerca de 30%). Saddam Hussein e sua comitiva eram sunitas. De acordo com os dados da Human Rights Watch, cerca de 290.000 pessoas desapareceram durante todo o período de permanência de Saddam Hussein no poder no Iraque. Saddam não compartilhou o poder supremo com ninguém além de seus parentes, que vieram de Tikrit. Ele entrou no Guinness Book of World Records como o chefe de Estado com o maior número de parentes em cargos governamentais.

Para ser um membro pleno da sociedade, um cidadão tinha que se filiar ao partido Ba’ath. Pessoas que não eram membros deste partido não tinham permissão para entrar em universidades ou trabalhar no serviço público.

O exército de Saddam Hussein consistia de cerca de 375.000 soldados. Estava bem armado e equipado. Entretanto, quando os EUA e seus aliados lançaram uma operação para derrubar o presidente iraquiano em 2003, a maioria do exército iraquiano ou não ofereceu resistência às forças da coalizão ou se rendeu. Uma derrota tão rápida é porque quase ninguém queria morrer pelo ditador. Uma vez o terror de todo o Oriente Médio, o exército foi derrotado em apenas três semanas.

A invasão americana do Iraque desempenhou um papel controverso. Por um lado, a região foi liberada de Saddam Hussein, incapaz de negociar, que podia tecnicamente tentar iniciar uma nova guerra contra seus vizinhos. Por outro lado, surgiu um novo foco de instabilidade no Oriente Médio. O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair disse em 2015 que compartilhava parcialmente a opinião de que a invasão do Iraque em 2003 pelos Estados Unidos e seus aliados, incluindo o Reino Unido, foi uma das principais razões para o surgimento do DAESH.

Algum tempo após o colapso do regime de Saddam Hussein, o povo do Iraque mudou sua atitude em relação ao seu ex-presidente. Muitos entrevistados disseram que a vida sob Saddam Hussein foi muito melhor do que depois de seu derrube em várias pesquisas de opinião. Esta opinião foi expressa mesmo por aqueles que foram processados sob acusações políticas durante o governo de Saddam Hussein. Para os iraquianos, uma paz remendada parecia melhor do que uma boa guerra.

O Partido Ba’ath, banido no Iraque em 2003, praticamente entrou em colapso no mesmo ano. A maioria dos funcionários do partido foi executada ou presa. O núcleo do partido era de muçulmanos sunitas. Os poucos líderes sobreviventes do partido fugiram para o norte do Iraque, onde os sunitas são a maioria da população. Outros fugiram para a Síria, onde o braço sírio do partido Ba’ath, liderado pelo presidente sírio Bashar al-Assad, continua no poder.

Em 2006, após a execução de Saddam Hussein, que foi listado como secretário regional da filial iraquiana do Partido Ba’ath até o final de seus dias, a filial se separou. Mohammed Younis al-Ahmed, um dos antigos confidente de Saddam, que fugiu para a Síria, declarou-se o líder do Ba’ath iraquiano em 3 de janeiro de 2007. Entretanto, agora ele tem poucos apoiadores, e não é ativo na política.

Por volta da mesma época, Izzat Ibrahim al-Douri, ex-vice-presidente do país, o braço direito de Saddam Hussein que permaneceu no Iraque, foi eleito chefe do partido. O povo de al-Douri participou ativamente da resistência à ocupação americana, cometendo todo tipo de sabotagem contra o exército americano. A cada ano que passava, eles se tornavam cada vez mais islamizados. Em algum momento, os demais apoiadores do regime de Saddam Hussein e os islamistas radicais agiram em conjunto, declarando jihad sobre a América. Em 2014, os partidários de al-Douri e DAESH (proibidos na Rússia) participaram conjuntamente do ataque a Mosul. No final de 2017, os territórios ocupados pelo DAESH voltaram ao controle do governo iraquiano. Os demais islamistas e poucos membros sobreviventes do Partido Ba’ath banido passaram à clandestinidade. Izzat Ibrahim al-Douri morreu em 2020, após uma longa doença. Após sua morte, a influência do Partido Ba’ath diminuiu.

Em conclusão, a invasão militar dos EUA prejudicou o sentimento público no Iraque. A situação no país continua instável. As memórias positivas da população sobre o período do governo de Saddam Hussein não se devem ao fato de que ele era um bom presidente, mas ao fato de que não havia guerra sob ele. Se as pessoas tivessem querido manter as coisas como estavam, muitos mais voluntários teriam se juntado às fileiras dos rebeldes, liderados por ex-líderes do Partido Ba’ath.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *