Evo Morales convoca os povos da América a se oporem ao novo Plano Condor

Via TeleSur

Ele afirmou que os Estados Unidos lideram as tentativas de sufocar os processos democráticos na América Latina.

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, alertou neste domingo que está em curso um novo Plano Condor que ameaça os processos democráticos, a livre determinação dos povos e a vontade das maiorias.

Em mensagem veiculada pela rede social Twitter, Evo Morales afirmou que os povos devem “pactuar medidas para que os governos de direita na América Latina não continuem participando de golpes sob a direção dos Estados Unidos, causando luto e dor aos nossos povos ”, frisou.

O alerta do líder boliviano ocorre após a denúncia do Governo do presidente Luis Arce de que os ex-presidentes Lenín Moreno, do Equador, e Mauricio Macri, da Argentina, apoiaram o golpe de Estado perpetrado na Bolívia em novembro de 2019.

As autoridades bolivianas divulgaram na semana passada evidências sobre o fornecimento pelos governos Moreno e Macri de material de guerra às autoridades de fato, utilizado para reprimir aqueles que saíram às ruas em oposição ao governo de fato em apelo ao respeito à democracia e às instituições em o país.

Em outra mensagem, o ex-presidente afirmou que a Bolívia segue uma política soberana que está na mira da direita continental.

O ex-presidente boliviano pediu aos “militantes, simpatizantes, soldados patrióticos e profissionais comprometidos com seu país” que protejam os interesses nacionais.

Da mesma forma, especificou que os Estados Unidos não perdoam a Bolívia pela capacidade que teve para recuperar seus recursos naturais, nacionalizar suas empresas estratégicas e fechar a base militar estadunidense em Chimoré, localizada na província de José Carrasco, no departamento de Cochabamba .

Durante as décadas de 1970 e 1980, as ditaduras militares na América Latina lançaram uma estratégia coordenada com os EUA para eliminar a oposição política, principalmente da ideologia de esquerda.

Conhecida como Plano Condor, essa estratégia liderada pela Agência Central de Inteligência (CIA) fez com que milhares de cidadãos fossem torturados, desaparecidos e assassinados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *