O lugar da China na atual questão do Afeganistão

Via New Eastern World

A retirada militar dos EUA do Afeganistão, após uma estada de 20 anos, extremamente custosa, continua sendo um dos principais assuntos da política global contemporânea. O que é bastante compreensível, porque nessa “encruzilhada” do mundo, estão – há séculos – em jogo os interesses dos principais atores do “Grande Jogo Mundial”.

Atualmente, a China tem apresentado um envolvimento crescente na questão, sendo um ator importante no processo de transição multilateral que está ocorrendo no território do Afeganistão. Pequim está coordenando cada vez mais as ações que realiza em conjunto com Moscou. E isso é verdade não apenas no território do Afeganistão, mas também na arena política mundial como um todo. Um desses momentos de “sincronizar os relógios” foi a conversa telefônica em 12 de agosto entre os ministros das Relações Exteriores Wang Yi e Sergey Lavrov.

Publicamente, as principais disposições que regem as abordagens da RPC para a situação atual no Afeganistão foram delineadas em 16 de agosto durante uma entrevista coletiva com o representante oficial do Ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying. Vamos destacar alguns daqueles que parecem ser pontos fundamentalmente cruciais: Primeiro, de fato “mudanças sérias” ocorreram no Afeganistão nos últimos anos; Segundo, o que ocorreu foi a “vontade do povo afegão”; Terceiro, o principal motivo foi o desejo de “acabar com a guerra e alcançar a paz”, o que, de fato, corresponde às “expectativas da comunidade mundial”. Em quarto lugar, foi afirmado que a China levou em consideração uma série de declarações positivas sobre a normalização da situação do país feitas pela liderança do Talibã imediatamente após a ocupação de Cabul.

Declaração do Emirado Islâmico sobre a necessidade de Mujahideen entrar em Cabul O Emirado Islâmico emitiu um comunicado pela manhã afirmando que nossas forças estão fora de Cabul e não queremos entrar em Cabul por meios militares. Mas agora há relatos de que distritos em Cabul foram evacuados, a polícia deixou seu trabalho de fornecer segurança, ministérios foram evacuados e o pessoal de segurança da administração de Cabul fugiu. Para que Deus proíba que ladrões e ladrões comuns em Cabul não se misturem, os abusadores não façam mal ao povo, o Emirado Islâmico ordenou que suas forças entrassem nas áreas de Cabul de onde o inimigo saiu e nas áreas Há risco de furto e roubo . Portanto, os cidadãos de Cabul não devem sentir nenhum medo dos Mujahideen, nossas forças entrarão na cidade de Cabul com muita facilidade, eles não trabalharão com ninguém, os militares do governo e os usuários civis devem se certificar de que ninguém os use, nenhum Mujahideen Você não é permissão para entrar na casa de alguém, ou para assediar ou irritar alguém.

Em resposta a uma pergunta mais específica sobre as relações que estão surgindo entre China e a liderança do Talibã, um representante do Ministério das Relações Exteriores da China confirmou o próprio fato de sua existência e disse que os contatos com o Talibã visam “resolver o problema do Afeganistão ”. Paralelamente, também foram mencionadas as conversas entre Wang Yi e a delegação de um movimento chefiado pelo mulá Abdul Ghani Baradar, que aconteceram em 28 de julho em Tianjin.

Há sinais de que Pequim vai cooperar no Afeganistão também com Washington, que sem dúvida ainda é um dos principais atores do mundo. E isso é verdade, apesar de sua reputação manchada (conforme ilustrado no Afeganistão), e apesar do lixo de propaganda sobre a aproximação da “segunda categoria da América” e até mesmo sobre seu colapso (“iminente”).

Hasty, panic withdrawal from key Afghan base shows US irresponsibility -  Global Times

Há sinais de que a retirada das tropas americanas não significa de forma alguma que haverá uma retirada completa dos EUA do Afeganistão. Embora o autor continue a defender a opinião de que o último seria mais apropriado para o “benefício” dos negócios (do Afeganistão). É bem possível, no entanto, que esta seja uma opinião errônea – e que a nova estratégia de Washington (que provavelmente está apenas começando a tomar forma) contribuirá para esse mesmo “benefício”.

Junto com isso, as tentativas de Washington de mudar o formato de sua presença no Afeganistão estão se tornando mais visíveis. Agora, o principal componente disso não serão as armas, mas o dinheiro, que em alguns casos (não incomuns) acaba sendo um meio não menos eficaz de atingir certos objetivos. Pode ser usado de várias maneiras e, até agora, houve menção à decisão do presidente Joe Biden de congelar as reservas de caixa afegãs que estão armazenadas em bancos americanos.

Uma mensagem bastante escassa do Departamento de Estado veio ao centro das atenções sobre uma conversa telefônica entre A. Blinken e Wang Yi realizada em 16 de agosto sobre o tema “o desenvolvimento da situação no Afeganistão”. Comentários mais detalhados poderiam ser encontrados na China, que aponta o evidente interesse dos Estados Unidos em estabelecer algum tipo de cooperação com Pequim, cuja importância – vale reiterar – no problema do Afeganistão vem crescendo fortemente.

Especificamente, destacam a gratidão que A. Blinken expressou ao seu colega pela participação da China no processo de negociação na capital do Catar, Doha, no formato da chamada “troika ampliada”. A própria “troika” mencionada inclui EUA, China e Federação Russa, mas no dia 10 de agosto (quando sua primeira reunião foi realizada) foi “expandido” incluindo o Paquistão, representantes do regime governamental de Cabul (então ainda em funcionamento), o Talibã e a UE. No entanto, agora que todos os ex-membros do “oficialismo” de Cabul fugiram, apenas o Talibã irá “expandir” a “troika” em nome do Afeganistão.

Mesmo assim, não se pode descartar (e isso foi claramente sugerido durante a conferência de imprensa mencionada por um representante do Ministério das Relações Exteriores da China) que outros partidos, movimentos e grupos étnicos (além dos pashtuns) também estarão representados em o futuro governo do Afeganistão.

Nos comentários chineses sobre a forma de cooperação entre a China e os Estados Unidos no Afeganistão, dois pontos se destacam. Em primeiro lugar, não se pode excluir a possibilidade de que ambos os países tenham um desejo comum de algum tipo de solução para o problema no Afeganistão. Ao mesmo tempo, a relativa localidade do próprio problema, e o agravamento da situação em quase todos os outros elementos extremamente importantes inerentes às relações entre as duas principais potências mundiais, também foram apontados. A este respeito, levanta-se a questão sobre a própria possibilidade de qualquer interação efetiva em nível local entre os principais adversários do mundo.

Os recentes acontecimentos no Afeganistão provocaram imediatamente más associações em Taiwan, o que ainda é um dos principais fatores que irritam as relações EUA-China. Pequim sugeriu abertamente algum tipo de perspectiva semelhante para o comportamento dos EUA em relação ao regime de Taiwan, que (como o de Cabul) Washington tem apoiado de todas as maneiras possíveis por décadas. Taipei, é claro, não concorda com essa analogia, ao mesmo tempo em que afirma a necessidade de fortalecer sua própria defesa e seu nível de cooperação com os EUA.

No entanto, mesmo no próprio território do Afeganistão, a intensa competição americano-chinesa é bem possível, quando (e se) o problema associado a essa transição para a fase de recuperação econômica, juntamente com o subsequente desenvolvimento em todo o país. Em particular, isso se refere ao projeto longamente discutido para o desenvolvimento de depósitos minerais ricos em elementos de terras raras, que são extremamente importantes nas indústrias de ponta de hoje. O valor potencial das reservas totais daqueles no Afeganistão é estimado em 1-3 trilhões de dólares.

E, finalmente, vale a pena voltar ao fato de que a cooperação entre China e a Federação Russa está se tornando mais forte. É importante ressaltar que não está de forma alguma limitado aos problemas do Afeganistão, mas está adquirindo um caráter global, de longo alcance, e está se tornando um dos fatores mais importantes na fase moderna do “Grande Jogo Mundial”. A este respeito, é digno de nota os exercícios militares bilaterais que acabaram de ser realizados no Nordeste da China (e que contaram com a presença dos ministros da Defesa de ambos os países), bem como os próximos exercícios multilaterais no XUAR.

É importante notar o fato extremamente notável de que o Egito participa deste último. Isso significa um dos países muçulmanos mais influentes, e um onde eles aparentemente deveriam saber o verdadeiro preço (e histórico) da histeria em torno do tema do “genocídio uigur”, alimentado por aqueles que há muito não têm nada a ver com nenhuma religião em absoluto.

É importante notar também que foi concluída a construção da primeira ponte ferroviária sobre o rio Amur na Região Autônoma Judaica, que tem um comprimento total (incluindo as estradas de acesso) de mais de sete quilômetros. Isso, sem dúvida, se enquadra na categoria de eventos muito importantes – tanto nas relações bilaterais quanto na política mundial. Já que estamos falando sobre fazer a transição para um nível prático para conversas de longa data sobre a combinação do desenvolvimento de transporte e infraestrutura industrial nas regiões da Sibéria e Extremo Oriente da Rússia com o projeto global Chinese Belt and Road Initiative.

Laços se estreitam: China recebe delegação do Talibã

No Afeganistão, as posições iniciais dos dois países parecem coincidir. Em particular, trata-se da questão de manter relações construtivas com a liderança que o próprio povo afegão considera mais adequada para eles. Se o Talibã for exatamente isso, teremos de trabalhar com eles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *