Golpe Militar no Sudão

Via RT

O chefe do conselho governante do Sudão, Abdel Fattah al-Burhan, anunciou a dissolução do conselho soberano de transição e do governo, decretando o estado de emergência em meio a um golpe militar após a prisão do primeiro ministro.

Em um comunicado entregue na segunda-feira, Abdel Fattah al-Burhan, chefe do Conselho Soberano de militares e civis que governa o país, declarou estado de emergência e dissolveu o governo.

Após a prisão do primeiro-ministro Abdalla Hamdok e outros oficiais por tropas, Burhan afirmou que os militares supervisionariam o restante da transição do Sudão para a democracia e entregariam a um governo eleito democraticamente.

Burhan, ele próprio um oficial militar, prometeu garantir que as eleições ocorressem em julho de 2023. O Conselho Soberano foi encarregado de supervisionar uma transição de quatro anos para a democracia depois que o líder de longa data Omar al-Bashir foi removido do poder em 2019 em após meses de agitação e protestos civis.

O líder do conselho alegou que foi forçado a agir após meses de lutas internas entre líderes militares e civis, enquanto alguns telefonemas de políticos representaram um incitamento à violência.

Burhan afirmou que criaria as condições adequadas para os partidos políticos chegarem às eleições e insistiu que os militares eram necessários para supervisionar o processo e garantir a segurança do país.

A declaração também prevê a remoção dos governadores estaduais e a nomeação de gerentes gerais como zeladores de seus respectivos ministérios; a força-tarefa anticorrupção também será suspensa. No lugar do governo, Burhan anunciou a formação de um parlamento revolucionário da juventude.

Em uma postagem no Facebook, o Ministério da Informação, que tem postado lealmente em nome do governo deposto desde a prisão do primeiro-ministro antes do amanhecer, disse que os comentários de Burhan foram a confirmação de que o poder foi tomado por um golpe militar. Eles também condenaram a suspensão do trabalho por uma comissão independente em um massacre de 2019 em Cartum.

Dezenas de milhares de pessoas foram às ruas do Sudão na segunda-feira após a prisão de Hamdok. O Ministério da Informação afirmou que as tropas dispararam contra os manifestantes na capital e em sua cidade gêmea de Omdurman. Pelo menos 12 pessoas ficaram feridas em confrontos, de acordo com o comitê de médicos, que postou em sua página no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *