Agência de proteção à saúde dos EUA: Covid-19 esteve presente na América antes de ser confirmada na China

Via RT

Pesquisas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA e da Cruz Vermelha Americana revelaram que o Coronavírus infectou pessoas nos EUA mesmo antes da China relatar seus primeiros casos em 31 de dezembro de 2019.

Os médicos americanos registraram oficialmente seu primeiro paciente Covid-19 em 19 de janeiro de 2020, mas as descobertas em um artigo publicado na revista Clinical Infectious Diseases sugerem que o vírus pode ter circulado nos EUA antes disso.

Os pesquisadores estudaram quase 7.400 doações de sangue feitas em nove estados americanos entre 13 de dezembro de 2019 e 17 de janeiro de 2020. Evidências de anticorpos de corpos Covid-19, cuja presença sugere que uma pessoa teve contato com o vírus, estavam presentes em 106 dessas amostras, de acordo com o estudo.

Isto significa que o coronavírus poderia ter estado nos EUA um mês antes de ver seu primeiro caso confirmado, e semanas antes de as autoridades chinesas anunciarem a infecção na cidade de Wuhan.

A análise dos dados hospitalares de todos os EUA no final de 2019 também mostrou um pico em pacientes com gripe, muitos dos quais tinham “tosse pesada” e outros sintomas respiratórios graves.

Pesquisadores europeus também especularam que o coronavírus tinha estado presente em seus países antes da China anunciar oficialmente o surto da nova cepa. Uma pesquisa francesa descobriu que existiam anticorpos Covid-19 em amostras de sangue colhidas no início de dezembro de 2019. Um estudo semelhante realizado por seus pares italianos revelou que amostras na Itália já mostravam anticorpos em setembro.

Os virologistas espanhóis, entretanto, encontraram vestígios de coronavírus em amostras de água de esgoto coletadas em março de 2019 – nove meses antes dos eventos em Wuhan.

As origens precisas do coronavírus são atualmente desconhecidas, mas os EUA têm feito tentativas ativas de culpar a China desde o início da pandemia. O Presidente Donald Trump referiu-se frequentemente à doença – que até agora infectou mais de 13,8 milhões de pessoas, e matou mais de 271.000 na América – como o “vírus chinês”, provocando veementes protestos de Pequim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *