Oposição chilena apresenta pedido de impeachment contra Piñera pelos ‘Pandora Papers’

Legisladores consideram que o presidente utilizou “seu cargo para negócios pessoais”, após o surgimento de novos documentos relativos à venda de uma mineradora, em 2010.

Um grupo de deputados de todos os partidos da oposição chilena apresentou nesta quarta-feira no Congresso uma denúncia para demitir o presidente, Sebastián Piñera, pela polêmica venda de uma mineradora em um paraíso fiscal confirmada nos Pandora Papers, publicados por este jornal e por um consórcio de mídia nacional e internacional. A Câmara dos Deputados, controlada pela oposição, vai agora decidir se aprova ou rejeita a acusação em votação a ser realizada na primeira semana de novembro. Se aprovado, o caso contra Piñera irá para o Senado, que deverá atuar como júri.

Piñera usou “seu cargo para assuntos pessoais”, disse o deputado Tomás Hirsch ao apresentar a acusação na Câmara dos Deputados, a primeira etapa de um processo de impeachment que pode durar várias semanas. A acusação constitucional, que segundo o presidente chileno “não tem fundamento nenhum”, se junta a uma investigação criminal aberta pelo Ministério Público há cinco dias pela mesma operação: a venda em 2010 da Minera Dominga por Piñera a um de seus melhores amigos através de uma empresa offshore com sede nas Ilhas Virgens Britânicas. O pagamento da terceira parcela dessa venda estava sujeito à não declaração da área de operações como reserva natural, decisão que permaneceu nas mãos de Piñera quando já era presidente. A venda foi a tribunal em 2017, quando Piñera foi demitido. No entanto, o documento em inglês desse contrato foi encontrado nos Pandora Papers. Como o caso só teve acesso à tradução de uma cópia, a promotoria considerou que há “novos elementos” para iniciar outra investigação contra o presidente. O governo defende que o documento em inglês é um elemento associado ao mesmo negócio e não deve ser levado em consideração.

A lei chilena não confere qualquer tipo de imunidade ao presidente, que pode ser investigado e até preso durante o mandato. O processo de impeachment também começa seis semanas antes das eleições gerais e apenas cinco meses depois que Piñera termina seu mandato. A oposição pode esperar até setembro do próximo ano para atacá-lo, mas optou por apressar os tempos. “Em nosso país, felizmente, existe o Estado de Direito e as instituições estão funcionando”, disse o deputado socialista Jaime Narango. “A Receita Federal e o Ministério Público estão fazendo o seu trabalho, nós também, como Câmara e órgão fiscalizador. O presidente, que deve dar o exemplo, mina a imagem do país. Causa-nos dor e tristeza que o Chile passe por esta situação por causa do Presidente ”, acrescentou.

Com uma popularidade em torno de 20% e uma rejeição de 70%, Piñera termina seu segundo mandato com o Ministério Público e a ameaça de demissão por um conflito que não conseguiu encerrar desde que chegou a La Moneda em 2010: o difuso linha de separação entre seus negócios e a política. O partido no poder, que não tem maioria parlamentar, considera que o caso Minera Dominga é coisa julgada, mas a campanha eleitoral não ajuda Piñera a somar apoio. Sebastián Sichel, o candidato presidencial de La Moneda, terceiro segundo as pesquisas, tem sido especialmente difícil. Durante debate de candidatos realizado em 11 de outubro, Sichel disse estar disposto a apoiar “as comissões de investigação que forem necessárias”, embora tenha esclarecido imediatamente que, em sua opinião, “destituir um presidente, quando for o caso, é um absurdo”.

Da oposição, porém, eles argumentam que Piñera tem, como um dos empresários mais ricos do Chile, uma longa história de conflito de interesses. “Ele é um presidente chamado ao Ministério Público por suborno e corrupção. Pode-se pensar que as pessoas tomam decisões erradas, mas quando há ficha médica, é impossível acreditar que não são culpadas ”, disse o chefe da bancada Cristina Democracia no Congresso, Gabriel Ascencio. Caso ocorra o impeachment, Piñera será o primeiro presidente chileno a não terminar seu mandato desde o retorno à democracia em 1990.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *